Publicidade

Estado de Minas

Seguro de celular vira febre entre consumidores, mas é preciso ter cuidado

De acordo com o Procon-DF, boa parte dos clientes não lê o contrato apresentado pelas empresas e, no caso de perda ou furto, desconhece o que pode cobrar da seguradora. Na maioria das vezes, o prêmio não cobre o custo total do aparelho


postado em 05/12/2011 07:30 / atualizado em 05/12/2011 07:44

Basta olhar as vitrines das lojas de eletrônicos ou das empresas de telefonia para se deparar com uma infinidade de modelos e marcas de celulares que custam acima de R$ 700. Os aparelhos, que concentram múltiplas funções, como tevê e internet, não conquistaram apenas lugar de destaque no mercado e desejo dos consumidores, eles também viraram  alvo das investidas de bandidos. Para não ter de lidar com o dilema entre comprar o mais simples, barato e menos visado ou aquele smartphone dos sonhos, os consumidores começaram a descobrir o seguro para o celular.

Corretores e seguradoras que prestam esse serviço não faltam no mercado. As próprias operadoras costumam oferecer garantias em caso de roubo ou furto, que são asseguradas por redes terceirizadas e especializadas no assunto. Mas, entre assinar o contrato e ter um telefone novinho em folha nas mãos após um eventual incidente, há um longo caminho a percorrer.

Luiz Cláudio da Costa, vice-diretor do Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-DF), conta que os consumidores não sabem o que contrataram e, por isso, não entendem o que podem cobrar da empresa. Nesses casos, há uma situação clássica de agressão ao direito à informação. “As pessoas precisariam receber todas as informações sobre aquele serviço para que pudessem elaborar o melhor juízo possível acerca da conveniência de contratar o serviço. Mas não é assim que ocorre”, afirma.

Em geral, apenas o valor é informado, que varia, em média, de R$ 5 a R$ 20. As situações que são contempladas pelo ressarcimento ou demais obrigações que cabem ao assegurado acabam ficando muito vagas.

Angela comprou um smarthphone e pensa em fazer um seguro:
Angela comprou um smarthphone e pensa em fazer um seguro: "Acredito que eu ficaria mais tranquila" (foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press)


Perda ou roubo
A administradora Angela Gomes, 39 anos, trocou de aparelho recentemente. “O meu anterior era mais simples. Agora, que tenho um smartphone, estou pensando em aceitar a proposta que me fizeram. Fico com medo de perdê-lo e a parcela por mês não é tão alta. Acredito que eu ficaria mais tranquila, mas ainda preciso estudar melhor o assunto”, diz.

Gisele Friso, advogada especialista em direito do consumidor da G.Friso Consultoria, explica que, em geral, nenhum contrato de seguro para celular cobre a perda do aparelho. Também não reembolsa quando há mau uso. Isso significa que se ele cair no chão ou em uma poça de água, mesmo pagando as mensalidades, a pessoa terá de arcar sozinha com o custo de um telefone novo. “Eu mesma fiz esse seguro. Geralmente, eles ligam quando você está no trabalho, com pressa, dizem rapidamente que é uma cobertura contra acidentes e o valor é pequeno, a pessoa aceita sem sequer ler o contrato”, explica.

Além disso, o termo nunca chega à casa do cliente. A recomendação é que as cláusulas sejam lidas e impressas pela internet. “A pessoa ouve dizer que é contra roubo ou furto e acha suficiente, mas o furto simples — deixei sobre a mesa e alguém pegou—, eles não se responsabilizam. Cobrem o furto qualificado, que ninguém explica o que é”, completa a advogada. A situação com cobertura seria aquela em que o ladrão rompesse algum obstáculo para alcançar o aparelho, como quebrar o vidro do carro ou cortar uma bolsa. O roubo também somente passa a contar para a seguradora quando o dono do telefone é abordado.

A renovação do contrato costuma ser automática, não permitindo que o consumidor pare para pensar se a adesão anterior foi realmente vantajosa. “O problema básico é a falta de esclarecimento. O consumidor paga sem saber que existe um teto, um limite pré-determinado, que o seguro vai oferecer depois. Nem sempre depende do aparelho que a pessoa tem, mas do valor que ela paga por mês”, acrescenta Gisele.

Sinistro
Para se informar melhor sobre o produto que está sendo adquirido, uma possibilidade é tentar entrar em contato com SAC das companhias seguradoras. Ainda que seja possível sanar algumas dúvidas, as atendentes nem sempre deixam o trânsito fácil às informações. Em geral informam que os detalhes serão repassados no momento da aquisição do produto.

Quando há o sinistro, também é preciso apresentar diversos documentos, como: nota fiscal original do produto, cópia da identidade, comprovante de residência, carta de próprio punho relatando o fato e o boletim de ocorrência, entre outros.

 

 

Eu acho
"Já me ofereceram, mas eu nunca fiz esse seguro. É dar dinheiro demais para a operadora, não?"
Maria do Socorro, 56 anos, aposentada

"Ninguém nunca me ofereceu, mas eu aceitaria se tivesse um iPhone. Para um celular baratinho, não compensa"
Anderson Lopes, 21 anos, corretor de imóveis

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade