Publicidade

Estado de Minas

TAM e GOL são as companhias que mais recebem reclamações no Aeroporto JK


postado em 05/12/2011 18:25 / atualizado em 05/12/2011 18:46

O Posto Avançado do Juizado Especial no Aeroporto Internacional de Brasília realizou, de acordo com estatística divulgada nesta segunda-feira (5/12), 554 atendimentos no mês de novembro. A principal função do Posto é realizar a conciliação entre passageiros e companhias aéreas. A TAM foi a empresa que mais sofreu reclamações, com 93 ocorrências, seguida da Gol, com 74. Logo depois vem a Webjet, com 29, Aviança (Ocean Air) com 6 e a Delta com 3.

A assessoria de imprensa da TAM informou, por meio de nota, que a empresa está sempre empenhada em prestar o melhor serviço aos seus clientes e que cumpre todas as exigências de atendimento ao passageiro, conforme a legislação vigente.

Já a assessoria da GOL, declarou que a companhia entende que os juizados vêm para reforçar os direitos legítimos de clientes que foram prejudicados, agilizando soluções e minimizando transtornos e que se manifesta nos autos sobre processos abertos. Em nota, a companhia esclarece que o foco do cliente está nos valores corporativos da empresa e que não mede esforços para atender da melhor forma possível seus passageiros.

Segundo o site do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), o Posto celebrou 65 acordos informais e apenas um formal. Desses, 48 casos se tornaram processos, 14 foram encaminhados para o estado de origem do consumidor e 6 pessoas desistiram da ação. Segundo a estatística, os principais problemas enfrentados pelos usuários das companhias aéreas foram extravio de bagagem, atrasos e cancelamentos de voos, e problemas no check-in.

O Juizado Especial no Aeroporto de Brasília serve para a solucionar gratuitamente questões que envolvam valores de até 20 salários mínimos, sem a necessidade de advogado. Para ter o caso solucionado ou julgado, é necessário entrar com o pedido dentro de 24h do incidente ocorrido. O Posto funciona em tempo integral.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade