Publicidade

Estado de Minas

Pastor evangélico exibia filmes pornográficos em casa para filhos de fiéis

Investigação da DPCA identifica abusos cometidos por pastor evangélico de Vicente Pires contra dois garotos. Depoimentos prestados pelas vítimas revelam que o líder religioso usava o nome de Deus para justificar o crime


postado em 06/01/2012 06:27 / atualizado em 06/01/2012 06:29

O pastor Josuel é suspeito de estuprar dois meninos de 8 e 11 anos(foto: Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press)
O pastor Josuel é suspeito de estuprar dois meninos de 8 e 11 anos (foto: Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press)

Um pastor evangélico acabou preso ontem suspeito de estuprar dois meninos de 8 e 11 anos. Josuel Gonçalves de Sousa, 45 anos, atuava na Igreja Batista Pentecostal Jeová Jireh, em Vicente Pires. Ele negou que tivesse violentado as crianças, mas a polícia não tem dúvidas das acusações e acredita que novos casos surgirão nas próximas semanas. O homem teria abusado dos garotos pelo menos cinco vezes em 12 meses. Agentes da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) investigaram o religioso por cerca de 120 dias. A detenção ocorreu na casa dele, na QE 24 do Guará 2, por volta das 7h.

Por volta das 11h de ontem, o delegado adjunto da DPCA, Rogério Borges ouviu o pastor e a mulher dele. Ela foi liberada em seguida, mas a polícia pediu a prisão preventiva do acusado, que deve permanecer preso até o julgamento. Na casa do suspeito, os policiais apreenderam computadores, CDs, DVDs e uma máquina fotográfica. Além dos abusos, ele teria exibido filmes pornográficos para as crianças. O equipamento foi encaminhado para a perícia. “Vamos aguardar o laudo do Instituto de Criminalística. O acusado ficará na carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE).”

O religioso atuava na Igreja Batista Pentecostal Jeová Jireh, em Vicente Pires(foto: Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press)
O religioso atuava na Igreja Batista Pentecostal Jeová Jireh, em Vicente Pires (foto: Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press)

Segundo o diretor do DPE, Mauro Cezar Lima, os meninos abusados são filhos de fiéis da igreja de Josuel. Eles se queixaram para os pais, que registraram queixa na DPCA em setembro do ano passado. Mauro Cezar contou que ele se valia da condição de pastor para ficar com os meninos e os convencia a praticar os abusos “em nome de Deus”. Geralmente, os atos libidinosos ocorriam dentro do carro do pastor, no trajeto entre a igreja e a casa do suspeito. O acusado contava que levava os garotos para brincar com o filho adotivo, de 8 anos. “Ele conquistou a confiança dos pais e dizia para os meninos que o que fazia tinha o amparo de Deus”, relatou o delegado.

Depois da denúncia, policiais e psicólogos colheram os depoimentos dos parentes e das crianças. No caso das vítimas, todo um cenário é criado para que os pequenos se sintam à vontade para conversar com os especialistas e relatar os crimes. Durante uma das sessões, o garoto de 11 anos, muito abalado, chorou ao narrar o que acontecia no carro e na casa do suspeito. Josuel responderá por estupro de vulnerável e pode pegar de oito a 15 anos de prisão por cada crime.

Mauro Cezar disse que os depoimentos têm força para manter o pastor preso até o julgamento. “Precisamos de muitas provas para pedir uma prisão preventiva, que é uma atitude enérgica”, explicou. “De forma técnica e científica, chegamos a essa lamentável autoria. Um líder religioso praticou estupro contra crianças. É um recado que eu quero deixar para os pedófilos. Eles terão, em Brasília, endereço certo: a penitenciária Papuda. Se algum outro garoto foi molestado, peço aos pais que venham à DPCA. Vamos apurar cada denúncia”, garantiu o diretor da DPE.

Inocência
Ao ser apresentado à imprensa ontem, Josuel jurou inocência. Ele disse que a mãe de uma das vítimas teria tramado contra ele porque o pastor recusava as investidas da mulher. O acusado insistiu que o pai do outro menino teria sido convencido a também registrar queixa. Disse ainda que é íntimo da família dos meninos e ajudava os pais a resolverem problemas conjugais. “A mulher dele queria ter um caso comigo e criou essa situação. Essas crianças foram poucas vezes lá em casa. Iam brincar com o meu filho. De forma alguma, eu tive algum tipo de contato com esses meninos. Nem entrei no quarto com eles. Falo isso sem medo”, defendeu-se.

O advogado do suspeito, Ivan Bonfim, sustentou que em nenhum momento ele tocou nas crianças. Elas ficaram na casa dele por duas oportunidades, sempre estiveram na companhia do filho dele, da sogra e da mulher. “Pode se tratar até de uma questão pessoal. Tudo indica que haja um elemento pessoal envolvido na comunicação do fato. Talvez um excesso de zelo de uma mãe, uma interpretação equivocada do comportamento da criança que teria induzido essa mãe a crer na existência de um conduta atribuída ao Josuel”, alegou.

O Correio esteve na rua do pastor e conversou com alguns vizinhos. Alguns moradores se mostraram surpresos com as acusações. Josuel era visto na QE 24 do Guará 2 como um homem solícito e amigável. Algumas pessoas se surpreenderam ainda mais porque têm filhos que brincam em frente à casa do acusado e teriam, inclusive, entrado na residência, embora acompanhados dos pais. Familiares do religioso não quiseram falar com o Correio. Questionados, disseram apenas que ele é inocente e que “logo todos verão a verdade”.

Denuncie
» Casos de abuso podem ser informados por meio do Disque-Denúncia (197) ou pelos telefones da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (3361-1049, 3362-5644 e 3362-5798).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade