Publicidade

Estado de Minas

Jovens embriagados ao volante são flagrante de pura irresponsabilidade


postado em 29/01/2012 08:00

Na madrugada da última quinta-feira, um grupo de jovens, inclusive o motorista, ingere vodca com energético ao lado de um Celta branco. Em seguida, entra no automóvel, sai em ziguezague, passa por blitz da PM...(foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
Na madrugada da última quinta-feira, um grupo de jovens, inclusive o motorista, ingere vodca com energético ao lado de um Celta branco. Em seguida, entra no automóvel, sai em ziguezague, passa por blitz da PM... (foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)

Madrugada de quinta-feira, Asa Norte. São quase 2h e um grupo de seis jovens dança e bebe no estacionamento de um píer, próximo à Ponte do Braguetto. A festa é regada a vodca com energético. O Celta branco é usado para apoiar os copos e as garrafas dos três rapazes e das três meninas. O motorista do veículo mal consegue ficar em pé. Ele deixa a chave cair duas vezes, derrama bebida em uma das amigas e, mesmo embriagado, assume a direção.

Em ziguezague, o condutor ganha a BR-020, rodovia que liga Brasília a Formosa (GO), com quatro ocupantes no banco traseiro. Em seguida, passa sem ser incomodado por uma blitz da Polícia Militar. Já em Sobradinho, o veículo superlotado cruza com dois carros da PM e também não é parado. O festival de imprudência prossegue 20 quilômetros depois, em um bar da Quadra 2 da cidade, com mais ingestão de bebidas alcoólicas.

A perigosa diversão, acompanhada de perto pelo Correio, por sorte acabou sem maiores consequências. Mas estatísticas do Departamento de Trânsito (Detran) revelam que a combinação de álcool e direção tem resultado em tragédias com mais frequência. No ano passado, 81 jovens entre 18 e 24 anos perderam a vida nas vias da capital, em 104 acidentes fatais. O número de vítimas é 9,5% maior do que em 2010. Em pelo menos sete casos, os condutores tinham sintomas de alcoolemia. Em outros cinco, não tinham a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A última tragédia no DF deixou seis mortos (leia Memória).

Numa volta à noite pela cidade, é fácil encontrar universitários e outros jovens se embriagando em volta de automóveis. Em apenas seis horas, a reportagem fez quatro flagrantes de irresponsabilidade. Além da turma do píer da Asa Norte, três grupos repetiram o comportamento em locais diferentes de Taguatinga. Todos são pontos tradicionalmente conhecidos por reunir rapazes e moças à procura de festa.

Vira-vira
Atrás do Pistão Sul, próximo ao Taguatinga Shopping, existe uma concentração de jovens a partir de quarta-feira, quando dezenas de boates abrem as portas. Muitos preferem não entrar nos estabelecimentos e promovem festas regadas a cerveja, uísque e vodca nos estacionamentos. No interior de um Gol preto, dois homens aparentando não mais que 25 anos tiram uma garrafa de aguardente e começam um ritual de virar o copo de uma só vez. As chaves do veículo estão presas ao cinto do rapaz, que nem se importa quando dois policiais passam por ele.

A menos de 500 metros, a cena se repete com duas meninas. Uma delas dirige um Fiat Uno, estaciona e desce segurando uma garrafa de cerveja em uma das mãos. Na outra, um cigarro. Desinibidas, elas se juntam a um grupo maior. O banco de trás do carro está lotado de latas de cerveja, que elas logo distribuem entre os colegas.

Um adolescente de 17 anos, que bebia com as garotas e outros amigos, aceitou conversar com a equipe do jornal. Por ter menos de 18, ele não será identificado. O jovem admitiu que estava de carona com o irmão, de 20, que também consumia álcool. “Ele tomou algumas latas de cerveja, mas moramos em Samambaia, que é bem pertinho. Não tem perigo de acidente grave, porque ele dirige bem devagar”, alegou.

A ausência da fiscalização nesses locais faz com que as pessoas fiquem à vontade para beber e assumir o volante. O caso dos jovens no Celta branco é um exemplo de que a repressão precisa ser mais eficiente. A PM teve a oportunidade de parar o veículo em três ocasiões, mas não o fez. A comandante do Batalhão de Policiamento Rodoviário, tenente-coronel Verônica Lúcia Dantas, defende que não houve falha dos policiais em serviço no posto rodoviário e no patrulhamento móvel. “Muitas blitzes são montadas com o intuito de parar um carro em fuga ou conter um veículo cujo motorista seja suspeito de estar cometendo um sequestro relâmpago”, explicou.

A oficial acrescentou ainda que pretende instalar televisões nas unidades, com programação educativa 24 horas. “A ideia é fazer com que o condutor, enquanto estiver sendo autuado ou esperando o guincho, assista a programas que falam sobre a importância do uso do cinto de segurança e de não beber e dirigir, além dos riscos de trafegar acima da velocidade da via”, afirmou.

...e segue pela BR-020, até parar em uma lanchonete, na Quadra 2 de Sobradinho. No total, roda 20km sem que seja parado pela fiscalização(foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
...e segue pela BR-020, até parar em uma lanchonete, na Quadra 2 de Sobradinho. No total, roda 20km sem que seja parado pela fiscalização (foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)


Memória
Tragédia na BR-070

Na madrugada do último dia 21, o eletricista Espedito Sirqueira da Silva Júnior, 19 anos, perdeu o controle do Astra, placa JFG 0712-DF, e capotou diversas vezes na BR-070, na altura da QNO 6, no Setor O. Sem habilitação, Espedito pegou o carro do padrastro sem permissão e foi para uma festa na companhia de cinco garotas. No momento da capotagem, todos os ocupantes foram arremessados para fora do automóvel, o que leva a polícia a crer que nenhum deles usava o cinto de segurança. Além do motorista, as passageiras Francisca Rafaela, 18 anos, Jéssica Souza, 18, Duanny Couto, 17, Daniela Dantas, 16, e Ingridiane Carvalho, 16, morreram na hora. Testemunhas contaram à polícia que todos do grupo, inclusive Espedito, fizeram uso de bebida alcoólica na confraternização, no Recanto das Emas. Na volta para casa, eles teriam passado no Taguapark, antes de pegar a BR-070, onde o acidente ocorreu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade