Publicidade

Estado de Minas

1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura do DF começa neste sábado


postado em 13/04/2012 17:19 / atualizado em 14/04/2012 10:42

Noventa anos depois da Semana de Arte Moderna, realizada em São Paulo em 1922, Brasília passará por uma verdadeira revolução cultural. A cidade sediará, de 14 a 23 de abril, a 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, evento mais importante das comemorações dos 52 anos de Brasília.

"Nosso compromisso é transformar Brasília na capital do livro e da leitura. Fico muito feliz em comemorar o aniversário da nossa cidade com um evento como a 1ª Bienal do Livro e da Leitura. O livro, esse meio tão importante para a cultura e o conhecimento, é o atrativo para a ocupação democrática da Esplanada", afirma o governador Agnelo Queiroz.

Com o tema "O poder transformador do livro e da leitura", a programação incluirá lançamento de livros, shows, mostra de filmes, seminários, exposições e teatro. O formato da bienal foi pensado para democratizar o acesso da população às atividades, todas gratuitas. Shows de Caetano Veloso, Nando Reis e da banda brasiliense Capital Inicial estão confirmados. Meio milhão de pessoas são aguardadas durante os 10 dias da feira.

A abertura oficial será às 10h, do sábado, 14 de abril. Durante a cerimônia, haverá a entrega do Prêmio Brasília de Literatura, que teve 1.621 inscrições em seis categorias. Um total de R$ 240 mil será distribuído em prêmios.

Estrutura

A feira está sendo montada na Esplanada dos Ministérios, próximo à Rodoviária do Plano Piloto e à Biblioteca Nacional. Em um espaço de 14 mil m² de área coberta, mais de 150 expositores se dividirão em quatro pavilhões. Os pavilhões se ligarão por meio do Café Literário, espaço dedicado a lançamento de livros, palestras e debates. Dois auditórios receberão as palestras e debates maiores. Na área externa, haverá um palco para os shows.

A bienal trará a Brasília cerca de 50 escritores nacionais e internacionais, especialmente de países latinoamericanos e africanos. O escritor brasileiro Ziraldo e o nigeriano Wole Soyinka, prêmio Nobel de Literatura de 1986, serão homenageados. O secretário Hamilton Pereira acredita que será um momento importante para um intercâmbio cultural proveitoso. "Brasília retoma, no governo Agnelo Queiroz, a sua vocação de diálogo com as demais culturas do mundo", declara. "Essa iniciativa retoma o impulso criador de Brasília, que foi pensada por um espírito cosmopolita".

Estímulo à leitura

Realizada pelas secretarias de Estado de Cultura e de Educação, em parceria com o Instituto Terceiro Setor (ITS), a bienal soma investimentos de R$ 10 milhões e faz parte do Plano do Distrito Federal do Livro e da Leitura (PDLL). Lançado em agosto do ano passado, ele tem quatro eixos de atuação: democratização do acesso; fomento à leitura e à formação de mediadores; valorização da leitura e da comunicação e apoio à criação e ao consumo de bens da leitura.

O secretário de Educação do DF, Denilson Costa, ressalta que o PDLL é uma política de governo que estimula os educadores a inserirem a leitura como prática pedagógica. "O plano inclui a capacitação de professores, a formação de monitores e uma série de ações com orientação pedagógica de incentivo aos professores, funcionários e estudantes em relação ao livro e à leitura", explica.

Todos alfabetizados

Além de incentivar a leitura, a atual gestão do GDF está determinada a fazer do Distrito Federal território livre do analfabetismo. Para isso, o governo lançou, em julho do ano passado, o programa DF Alfabetizado, com a meta de zerar o analfabetismo na região até 2014. O programa integra todo o governo, incluindo secretarias de Estado, regionais de educação e administrações regionais, além de instituições de ensino, movimentos populares e organizações não governamentais. Atualmente, 3,4% dos habitantes do Distrito Federal não são alfabetizados - aproximadamente 65 mil pessoas.

Para 2012, a meta do programa é ensinar a ler e escrever 10 mil pessoas, começando por cinco regiões com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): Ceilândia, Paranoá, Itapoã, Sobradinho e Estrutural. As inscrições para o DF Alfabetizado foram encerradas no fim de março. No segundo semestre, o programa abre novas vagas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade