Publicidade

Estado de Minas

Ex-distrital Júnior Brunelli ficará preso provisoriamente na 5ª DP


postado em 27/05/2012 17:20 / atualizado em 27/05/2012 22:46

O ex-deputado distrital Júnior Brunelli (sem partido) foi levado de volta à 5ª Delegacia de Polícia, após ter passado por procedimento padrão no Instituto Médico Legal (IML). Ele já prestou depoimento e ficará preso no local provisoriamente, segundo o chefe da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Deco), Henry Peres.

De acordo com Peres, a sala onde Brunelli está preso teria cerca de 2m². No entanto, a informação foi corrigida posteriormente por agentes da delegacia, que estimaram o tamanho do local em 8m². As grades do local são verdes e os bancos, de concreto. Não há pia, apenas um aparelho sanitário. Brunelli não conseguiu se livrar das grades, como havia solicitado. Mas está sozinho na cela da 5a DP, onde vai passar a noite.

Brunelli deixou o prédio da 5ª DP com a cabeça tampada com um casaco bege, uma tentativa de evitar a imprensa. Um helicóptero da Polícia Civil sobrevoou o local onde Brunelli está. Foragido desde sexta-feira (25/5), o ex-deputado distrital se entregou na tarde deste domingo (27/5) à polícia. Na presença de advogados, o ex-parlamentar se apresentou na 5ª Delegacia de Polícia. Provavelmente foram aceitas as exigências de Brunelli, que pediu ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) que valessem as prerrogativas de advogado para que ele pudesse se livrar das algemas, dos holofotes e das grades.

A polícia estava procurando o ex-distrital desde sexta, quando foi deflagrada uma operação de busca e apreensão pela Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Deco). Brunelli ainda não tinha sido localizado, mas três pessoas envolvidas com ele, o assessor Adilson de Oliveira, 46 anos, o contador Carlos Antônio Carneiro, 41, e o empresário Spartacus Savite, 39 - que seriam comparsas no esquema e teriam ajudado o ex-parlamentar - foram presos ainda no dia 25 de maio.

Brunelli é suspeito de ter desviado, pelo menos, R$ 1,7 milhão em emendas parlamentares que deveriam ter sido aplicadas para melhorar a qualidade de vida de idosos. O dinheiro foi liberado pela Secretaria de Desenvolvimento Social, em 2009, mesmo ano em que ele passou a ser reconhecido como o deputado da oração da propina, depois da divulgação do vídeo em que, abraçado ao delator da Caixa de Pandora, Durval Barbosa, puxa uma reza pedindo proteção divina contra inimigos políticos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade