Publicidade

Estado de Minas

UnB cai 14 posições em ranking das melhores universidades latino-americanas


postado em 14/06/2012 06:06 / atualizado em 14/06/2012 20:03

A Universidade de Brasília (UnB) caiu 14 posições — de 11ª para 25ª — em um ranking que avalia instituições latino-americanas de ensino superior. A lista foi elaborada pelo grupo britânico Quacquarelli Symonds, que produz o Top Universities, uma das principais classificações do gênero do mundo. A administração central da UnB alega que houve falhas no momento da coleta de informações com as próprias escolas, o que provocou o resultado ruim. Em 2011, o grupo fez a primeira avaliação específica para a América Latina. Este ano, a Universidade de São Paulo (USP) alcançou a primeira posição, repetindo o resultado do ano anterior.


O Brasil tem 65 universidades entre as 250 da lista, sendo oito delas entre as 20 primeiras. No ano passado, a UnB atingiu 78,2 pontos de um total de 100. Nesta edição, o desempenho foi de 71,83. A USP tirou nota máxima na avaliação do Top Universities. O ranking usa sete critérios com pesos diferentes, incluindo reputação acadêmica, número de artigos por docente e professores com doutorado.

O decano de Ensino e Graduaçãoda instituição, José Américo Soares Garcia, defende que a colocação da UnB no estudo não fere a reputação da instituição. “Na avaliação do Ministério da Educação, que é o que nos interessa, temos classificação de excelência, com média 4 no Índice Geral de Cursos (IGC)”, afirma. Ele diz ainda que, nos últimos quatro anos, a universidade cresceu em número de alunos, cursos, professores, mas também em qualidade e produção.

Leia mais notícias em Cidades

A justificativa para a perda de posições, para Garcia, seria um erro na produção da lista. “Na metodologia, eles enviam um questionário que conta na pontuação final. No nosso caso, não recebemos, muito menos respondemos nada. Vamos entrar em contato com a empresa para entender o que aconteceu”, garante José Américo. O decano enfatiza que a UnB está bem colocada em quesitos como quantidade de docentes com doutorado e impacto de pesquisas na comunidade acadêmica.

Na opinião do estudante de medicina Arthur Bernardo Fernandes, 21 anos, não houve mudança significativa nos últimos 12 meses para justificar a queda. “Não acho que faz diferença para a gente. No meu curso, talvez tenha havido até melhora”, diz. Ainda assim, ele acredita que a universidade precisa avançar em muitos aspectos e dar mais atenção às demandas dos estudantes, valorizando a avaliação dos professores feita no fim dos semestres.

Mesmo perdendo posições, a UnB é apresentada no site do grupo como uma das melhores instituições do Brasil e da América Latina, além de ser “comprometida com a excelência da produção do conhecimento e a agenda internacional do Brasil”. Os organizadores da pesquisa também elogiam os bons resultados alcançados pelo país. De acordo com o editor do Top Universities, Danny Byrne, pelo fato de ser a economia dominante da região, era de se esperar que o país tivesse um quarto do total da lista das 250 instituições, ou seja, 62.

A proporção da presença brasileira cresce quando analisadas as 20 mais bem colocadas de acordo com o QS. “O Brasil detém 40% dessa faixa, o que é um sinal de que tem qualidade em comparação com os seus pares regionais”, analisa Byrne. Uma das explicações é o aumento dos investimentos na área entre 2000 e 2008. “Mas, para fazer um progresso real em um cenário internacional, há muito mais trabalho a ser feito.” Isso porque, segundo ele, o gasto e o reconhecimento das universidades brasileiras em escala global estão abaixo do esperado.

 

QS Latin University Ratings

Posição    Universidade    Pontuação
1°     Universidade de São Paulo (USP)                                  100
2°     Pontificia Universidad Católica de Chile                            99,98
3°     Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)               97,55
4°     Universidad de Chile                                                      93,73
5°     Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM)        92,83
6°     Universidad de los Andes — Colômbia                            90,37
7°     Tecnológico de Monterrey (ITESM) México                     85,81
8°     Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)               85,41
9°     Universidad de Concepción — Chile                                83,76
10°   Universidad de Santiago de Chile (USACH)                     82,8
11°   Universidad de Buenos Aires — Argentina                       82,48
12°   Universidad Nacional de Colombia                                  82,24
13°   Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)                81,61
14°   Universidade Federal do Rio Grande Do Sul (UFRGS)      78,55
15°   Universidade Federal de São Paulo    78,49
16°   Instituto Politécnico Nacional (IPN) — México                  78,44
17°   Universidade Estadual Paulista (Uesp)                             77,43
18°   Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro            76,56
19°   Instituto Tecnológico Autónomo de México (ITAM)          74,68
20°   Pontificia Universidad Católica Argentina Santa 

         María de los Buenos Aires (UCA) — Argentina                  73,94
21°    Universidad Autónoma Metropolitana (UAM) — México    73,58
22°    Universidad Nacional de Córdoba — Argentina                 72,48
23°    Pontificia Universidad Javeriana — Colombia                    72,18
24°    Universidad Nacional de la Plata — Argentina                   71,92
25°    Universidade de Brasília (UnB)                                        71,83

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade