Publicidade

Estado de Minas

Alunos do Instituto de Artes reclamam da falta de espaços adequados na UnB

Estudantes sofrem com a falta de instalações adequadas para representar, desenhar, pintar e tocar instrumentos musicais. O improviso existe há pelo menos 20 anos e atrapalha a formação dos estudantes


postado em 06/06/2013 06:30

Os estudantes Caio Sigmaringa e Natália Roncador no tablado do teatro Helena Barcelos: espaço interditado desde 2011 por causa de inundações(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Os estudantes Caio Sigmaringa e Natália Roncador no tablado do teatro Helena Barcelos: espaço interditado desde 2011 por causa de inundações (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

As mais variadas manifestações artísticas aparecem em cada canto da Universidade de Brasília (UnB). São desenhos, esculturas, azulejos e instalações que compõem o ambiente acadêmico. Ao caminhar pelo câmpus do Plano Piloto, é comum encontrar músicos afinando os instrumentos embaixo de árvores e atores repassando falas e cenas nos gramados. Apesar de lúdicas, as cenas refletem a falta de espaço adequado para os alunos de artes na UnB.

Há 20 anos, o Instituto de Artes (IdA) funciona em prédios originalmente destinados ao almoxarifado da instituição. Revoltados, os estudantes do instituto se organizaram para pedir espaços físicos adequados. “Não há teatro para artes cênicas, não há ateliês para artes plásticas, não há salas com tratamento acústico para música e não há salas para desenho industrial”, reclama a aluna de artes visuais Natália Roncador, 19 anos.

Com 10 cursos oferecidos nos períodos diurno e noturno, o IdA abriga cerca de 1,8 mil universitários em três prédios improvisados. Em um deles, um cartaz chama a atenção com a seguinte mensagem: “O IdA está em todo lugar, mas qual o lugar do IdA?” O único curso que conta com um espaço próprio é o de artes cênicas, mas o prédio sofre com constantes inundações. O problema levou ao fechamento do teatro Helena Barcelos e de uma das salas de exposição. Hoje, o lugar que deveria servir de palco funciona como depósito.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade