Publicidade

Estado de Minas

Biblioteca da Estrutural será reinaugurada com livros encontrados no lixão

Ideia é reinaugurar uma biblioteca até janeiro


postado em 24/10/2013 06:15 / atualizado em 24/10/2013 07:59

Grupo de estudantes da UnB põe a mão na massa para montar espaço que mais tarde será usado pela comunidade(foto: Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press)
Grupo de estudantes da UnB põe a mão na massa para montar espaço que mais tarde será usado pela comunidade (foto: Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press)

 

Garrafas de refrigerante, restos de comida e de material de construção, móveis e roupas usadas. Todos os dias, o Lixão da Estrutural, o maior a céu aberto da América Latina, recebe mais 2 mil toneladas de resíduos que se juntam à montanha formada ao longo dos últimos 40 anos. Mas os descartes da capital podem oferecer mais do que sobrevivência. Deles, também brotam livros. “Muitos chegam em excelente estado. Comecei a guardar e, aos poucos, fazer rodas de leitura com as crianças que moravam perto”, conta Maria Abadia Teixeira de Jesus, 50 anos.

Leia mais notícias em Cidades

Líder comunitária, Abadia começou sua história com a Estrutural em 1993, quando parte da família mudou-se para a cidade e passou a viver da reciclagem. Aos poucos, a costureira decidiu abandonar agulhas e tesoura e investir no reaproveitamento do lixo. O barracão usado para separar os resíduos virou ponto de encontro da meninada da região, que, na década de 1990, nem sequer contava com escolas ou qualquer outro serviço público. A estrutura improvisada foi ganhando ares de biblioteca. “A gente encontrava uma estante e levava para lá. Pegava um baú e usava para guardar os livros e evitar que sujassem”, lembra.

De 1998 a 2005, o espaço cresceu. Chegou a acumular 8 mil exemplares. Os empréstimos e devoluções sempre foram feitos de maneira informal, quase de forma intuitiva. A mineira de Unaí, que fez magistério e sempre sonhou em ser professora, lembra que chegou a inventar um código próprio de catalogação dos livros, na tentativa de organizar o acervo. A estrutura precária do local, que não oferecia um ambiente seguro especialmente para as crianças, foi alvo de preocupação do Conselho Tutelar e, aos poucos, as atividades da biblioteca improvisada acabaram reduzidas.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade