Publicidade

Estado de Minas

DF teve 14 casos de sequestros relâmpagos em locais públicos só em outubro

O roubo com restrição de liberdade de uma mulher no estacionamento do ParkShopping expõe, mais uma vez, a vulnerabilidade dos estacionamentos pagos do Distrito Federal


postado em 22/11/2013 06:03 / atualizado em 22/11/2013 00:05

A vaga no estacionamento privado do ParkShopping custa R$ 3,60 a hora: custo alto para pouca segurança(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press - 6/1/12 )
A vaga no estacionamento privado do ParkShopping custa R$ 3,60 a hora: custo alto para pouca segurança (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press - 6/1/12 )

 

Parar o carro em um estacionamento privado deixou de ser sinônimo de segurança no Distrito Federal. Seguidas ocorrências de furtos, roubos e sequestros relâmpagos retomaram a discussão sobre o sistema de vigilância particular. Basta circular por diferentes prédios da capital para ver que o preço cobrado por esses ambientes supostamente protegidos é alto, mas nem sempre o valor é proporcional ao conforto.

Leia mais notícias em Cidades

Dos 49 roubos com restrição de liberdade registrados no DF em outubro, 14 (29%) aconteceram em estacionamentos de shoppings, do comércio de rua, de clubes, de boates e de academias. Em 39 ocorrências (80% dos casos), a vítima estava sozinha.

O sequestro de uma mulher de 61 anos no estacionamento pago do ParkShopping na última quarta-feira expôs, outra vez, a vulnerabilidade dessas áreas privadas — a vaga custa R$ 3,60 a hora. O caso aconteceu por volta das 16h. A vítima estava prestes a sair do local com o carro, mas acabou abordada por um homem que disse estar armado. Segundo o depoimento dela, o bandido abriu a porta do veículo, ordenou que ela passasse para o banco do passageiro e assumiu a direção. Menos de 1km depois, na entrada do Guará, ele parou, recolheu aparelho celular e dinheiro e a deixou na pista. Ela voltou a pé para o shopping.

Por meio de nota, o empreendimento alegou que “está analisando as imagens de segurança e disponibilizará para as autoridades policiais todo o material necessário”. O Correio esteve no centro comercial e constatou que a segurança da área externa é feita por mais de 15 vigilantes. A reportagem identificou câmeras apenas nas catracas de retirada do tíquete de estacionamento.

A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade