Publicidade

Estado de Minas

Poesias em concretos abordam temas corriqueiros e trazem reflexões

Mensagens e versos escritos em postes, paradas de ônibus, meio-fios e passagens subterrâneas chamam a atenção dos brasilienses


postado em 22/11/2013 06:10

Diego Pereira, na parada de ônibus da 616 Norte:
Diego Pereira, na parada de ônibus da 616 Norte: "São poesias curtas e fáceis de serem entendidas, mas que nos fazem refletir" (foto: Janine Moraes/CB/D.A Press)

 

Quem caminha por Brasília encontra poesia estampada em locais inimagináveis. Os versos deixaram os livros e estão nas paradas de ônibus, nas passagens subterrâneas, nos postes, em meio-fios, nas calçadas, nas caçambas de lixo e em tapumes de obras. Basta um olhar atento para encontrar. No entanto, muitas vezes, as mensagens sem assinatura não encontram destinatário. Passam despercebidas na correria da cidade.

Leia mais notícias em Cidades

A agricultora Rita Lopes, 48 anos, deixou a pequena cidade de Pedra Branca do Amapari, no Amapá, e desembarcou em Brasília na última semana. Ao atravessar o Eixo Monumental, uma das vias centrais da capital, reparou em uma mensagem. “Li o cartaz com ‘Mais amor por favor’ e pensei: é isso! É o que falta. As pessoas aqui andam correndo, não olham para o lado, não enxergam o outro. Acho que olhar a pessoa ao lado é se preocupar com ela, é dar amor”, diz.

Conterrâneo de Rita, o funcionário público André Lopes, 27 anos, também se encantou. “A vida é tão corrida. Nós nos esquecemos de dizer o que sentimos. De falar ‘Eu te amo’. Mensagens assim, no meio da cidade, são muito bacanas. A gente olha e pensa. A poesia alcança a gente no meio da correria e nos faz refletir”, garante. O radialista Luiz Polesi, 53 anos, também notou o cartaz. “Achei muito bacana. Poesia é sempre bom. Não acho nota 10, acho nota 11”, afirmou. Polesi, que mora da cidade paulista de Taquaritinga, acredita que os poemas são uma intervenção diferente e atraem a atenção das pessoas. “É bonito. Deixa a cidade mais bonita. Não é como os rabiscos que ninguém entende”, ressalta, referindo-se às pichações.

A poesia de parede é comum nas grandes cidades de todo o mundo. Os versos são curtos e objetivos. Temas simples da vida são abordados sem profundidade, mas sem perder a dose de reflexão inerente à poesia em geral. Para muitos artistas, as intervenções são uma reação às propagandas que bombardeiam quem passa pelos grandes centros urbanos. Em Brasília, os versos ganham particularidades. Falam da solidão, do concreto, das ruas sem esquinas. A maioria dos poemas não é assinada. Os grupos de arte urbana disponibilizam os versos para download, como o brasiliense Coletivo Transverso. É uma arte que pode ser feita por todos e tem todos como público.


A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade