Publicidade

Estado de Minas

Após 16 anos de portas fechadas, Planetário de Brasília reabre hoje

Foram investidos R$ 13 milhões, o que permitirá ao brasiliense ver o espaço por meio de equipamentos e sistemas inéditos no país


postado em 11/12/2013 06:10 / atualizado em 10/12/2013 23:40

Planetário ganhou projetores que exibem filmes e dão a sensação de tridimensionalidade ao espectador(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Planetário ganhou projetores que exibem filmes e dão a sensação de tridimensionalidade ao espectador (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

 

Após 16 anos com as portas fechadas, o Planetário de Brasília será reinaugurado, às 10h30 de hoje, pelo governador Agnelo Queiroz, e promete retomar a programação do espaço reservado a exposições, oficinas, aulas, exibições de filmes e outros eventos voltados à astronomia na cidade. A reforma, que custou mais de R$ 13 milhões aos cofres públicos, traz um novo modelo de tecnologia de ponta, o projetor digital Power Dome, comparado aos melhores do mundo, acompanhado pela permanência do primeiro projetor analógico do local, o SpaceMaster, adquirido na década de 1970.

Leia mais notícias em Cidades

Além da estrutura totalmente reformada, a parte tecnológica também foi restaurada. A cúpula onde ocorrem as sessões de cinema é equipada com oito projetores que exibem filmes no teto circular, dando a sensação de tridimensionalidade e imersão. Esse sistema é inédito no Brasil e existem apenas dois semelhantes, instalados na Alemanha. O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Distrito Federal, Glauco Rojas, destaca a relevância do planetário para a comunidade brasiliense. “É um centro de referência nas áreas de tecnologia, entretenimento e também turismo. Brasília é a capital da sexta economia do mundo e o fato de não ter um planetário era uma lacuna que precisava ser preenchida.”

Marcelo Domingues, 42 anos, membro do Clube de Astronomia de Brasília, e mais 39 interessados pela área estiveram no Planetário de Brasília no último sábado para um teste. Depois de visitar centros que simulam o céu em Paris, Amsterdã, Copenhague, Santiago e outras capitais, o astrônomo amador avalia que o de Brasília é de alto padrão. “Em matéria de qualidade de imagem, é o melhor planetário em que já estive. Ele combina uma parte analógica, com resolução melhor, e uma parte digital que permite mais possibilidades, como simulação de voo numa nave espacial e aproximação de um planeta”, detalha.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade