Publicidade

Estado de Minas

Simulação de imagens mostra que o trânsito de Brasília vai parar em 2020

A capital federal precisa resolver os problemas de congestionamento antes de Brasília parar, o que pode acontecer em 2020, segundo levantamento do próprio governo


postado em 28/04/2014 09:31 / atualizado em 28/04/2014 14:24

 

A situação atual tem problemas entre o Balão do Torto e o do Colorado; no percurso de Santa Maria até a EPGU; na EPNB; e no Viaduto Israel Pinheiro (cruzamento de Taguatinga, Águas Claras e Vicente Pires)


A simulação do Plano Diretor de Transporte Urbano (PDTU), da Secretaria de Transportes, mostra a situação da via hoje e em 2020. Os trechos em vermelho revelam que a ocupação das pistas pelos carros é de 80% a 100% — nessa fase, estão em processo de saturação. O que está pintado de preto se encontra totalmente saturado. São os pontos críticos, onde o trânsito para (Veja infográfico acima).

De acordo com as imagens, o trecho da BR-020, entre o Balão do Torto e o Balão do Colorado, está saturado. Na BR-040, a via se encontra inviável entre Santa Maria e o acesso à Estrada Parque Guará (EPGU), e em toda a extensão desta. A Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB) é outra em situação crítica. Já na Estrada Parque Taguatinga (EPTG), o pior ocorre ao redor do Viaduto Israel Pinheiro.

A falta de planejamento urbano e de uma política de trânsito e transportes para a capital agrava os problemas de mobilidade urbana. Somente no ano passado, por exemplo, uma frota de ônibus foi licitada. Mas ainda é preciso melhorar a administração do sistema, como reconhece o próprio secretário de Transportes, José Walter Vazquez Filho. Ele aponta como outra falha a falta de gestão de trânsito por parte do Departamento de Trânsito (Detran) em situações corriqueiras, como orientar os condutores em cruzamentos com semáforo ou liberar as vias em casos de acidentes sem vítimas.

Mobilidade
Na avaliação do secretário de Transportes, a situação do trânsito chegou ao limite porque sucessivos governos “se sentaram no fato de que Brasília é uma cidade planejada”, sem se preocuparem em traçar políticas de mobilidade. Além disso, o próprio motorista contribui para gerar transtornos. Vazquez aponta que os brasilienses têm hábitos exemplares, como não usar a buzina em excesso e respeitar a faixa de pedestres. Entretanto, quem está no volante para em fila dupla e estaciona em local proibido. “As entrequadras que têm duas faixas em cada sentido ficam com apenas uma porque a outra é ocupada por carros parados de forma irregular.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Assista à reportagem da TV Brasília


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade