Publicidade

Estado de Minas

Em protesto, estudantes fazem "peladaço" na Universidade de Brasília

O ato, que durou cerca de dez minutos, é em apoio a um jovem que fazia uma performance artística na tarde da última quarta-feira, e foi impedido por seguranças de ficar sem roupas na parte externa do local


postado em 06/10/2014 15:09 / atualizado em 07/10/2014 11:49

Estudantes posam para fotos no ICC(foto: Renata de Paula/Esp.CB/DA Press)
Estudantes posam para fotos no ICC (foto: Renata de Paula/Esp.CB/DA Press)

Um grupo de estudantes da Universidade de Brasília (UnB) resolveu fazer um protesto inusitado no início da tarde desta segunda-feira (6/10). Completamente pelados, o grupo de aproximadamente 20 pessoas se reuniu por volta das 14h30 em frente ao anfiteatro 9, no Instituto Central de Ciências Sul (ICC). O ato, que durou cerca de 20 minutos, foi em apoio a um jovem que fazia uma performance artística na tarde da última quarta-feira (1º/10), e foi impedido por seguranças de ficar sem roupas na parte externa do local. A ação dos funcionários foi registrada por um cinegrafista amador.

Leia mais notícias em Cidades

Um estudante de 21 anos, que preferiu não se identificar, é um dos organizadores do "peladaço" e alegou que a ação dos fiscais foi truculenta. "Ele foi reprimido de forma violenta, o derrubaram no chão", relatou. Outra universitária informou que o ato não é considerado atentado ao pudor e que pretende escrever uma carta de repúdio ao reitor contra a ação dos seguranças. "Se tratava de uma apresentação sobre a imposição do perfil heterossexual na sociedade. Todo ano há atos com nudez e nunca houve repressão", garantiu.



Lorena Melovia e Amanda Pinho participaram do protesto(foto: Renata de Paula/Esp.CB/DA Press)
Lorena Melovia e Amanda Pinho participaram do protesto (foto: Renata de Paula/Esp.CB/DA Press)
Assim que ficou sabendo do protesto, Lorena Melirra, 20 anos, estudante de letras Francês, se uniu ao grupo e tirou a blusa. "A abordagem, de fato, foi muito pesada", relatou. Amanda Pinho, também estudante da UnB, ressaltou que acredita em qualquer movimento social que questiona regras impostas à sociedade.

Apesar da grande adesão, o ato não agradou a todos. O aluno de direito Raphael Thimotheo, 20 anos, se diz contra a manifestação. "Essas atitudes não são convenientes em um espaço público como a UnB, apesar da nudez ser algo natural, as pessoas não estão acostumadas a se deparar com esta cena", defendeu.

O motivo

No vídeo, que tem pouco mais de um minuto e mais de 400 visualizações, o rapaz aparece com uma peruca loira e enrolado em um pano branco. Os funcionários pedem para o jovem esconder as partes íntimas, mas a orientação, contudo, é ignorada. Um dos agentes tentou enrolar o tecido no rapaz, que relutou e foi contido por mais dois seguranças. Imobilizado, o jovem começou a gritar "me solta" e "estupro, estupro".



A UnB informou que o estudante está matriculado no Instituto Federal de Brasília (IFB). A apresentação estava agendada para ocorrer no anfiteatro 9 do ICC, no entanto o aluno insistiu em caminhar sem roupas nos corredores.

Ainda de acordo com a universidade, não houve violência e os fiscais agiram após uma denúncia de outros estudantes que se sentiram ofendidos com a nudez. A UnB registrou um boletim interno, mas destacou que os funcionários não sabiam que se tratava de uma performance.

Nesta semana, o anfiteatro recebe o 16º Festival Universitário de Música Candanga (Finca). A UnB, no entanto, não soube informar se o rapaz fazia parte da programação.

Outro caso
Não é a primeira vez que os estudantes da UnB fazem "peladaço" no local. Em 2009, um grupo se reuniu para protestar contra o tratamento recebido por Geisy Arruda, na Universidade Bandeirante (Uniban), de São Bernardo do Campo, São Paulo. O ato contou com pouco mais de 150 universitários. A maioria usava apenas roupas íntimas, mas dez ficaram nus.

A então estudante foi hostilizada por usar roupas curtas e chegou a ser expulsa da Uniban, mas a escola voltou atrás após a repercussão na mídia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade