Publicidade

Estado de Minas

Pais devem pesquisar preço de material escolar desde já

Comprar em conjunto também é interessante para conseguir valores mais baixos


postado em 10/11/2014 06:09

Rafaela Torres, mãe de Júlia e Pedro, rondou papelarias no Plano, em Taguatinga e Ceilândia em outubro(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Rafaela Torres, mãe de Júlia e Pedro, rondou papelarias no Plano, em Taguatinga e Ceilândia em outubro (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
 

A maioria das escolas particulares abriu o período de matrículas e colocou à disposição dos pais e dos alunos a lista completa de materiais escolares para o próximo ano letivo. A quatro meses do início das aulas, os responsáveis já podem iniciar a pesquisa de preços e das condições de pagamento nas papelarias. Um especialista ouvido pela reportagem considera que este é o melhor momento para ir às compras. Além de garantir produtos com preços baixos, os consumidores ainda evitam o tumulto nas lojas, comum nos meses de dezembro e janeiro, quando o movimento no comércio especializado é muito grande.

Rafaela Torres, 38 anos, é uma das mães que antecipam o período de compras. Além de adquirir os materiais escolares de Júlia, 8, e Pedro, 4, ela ainda incentivou 60 pais de alunos de um colégio da Asa Sul a comprar em conjunto os produtos. A pesquisa de preços começou ainda em outubro. A consulta foi feita em diversas papelarias não só do Plano Piloto, mas também em Taguatinga e Ceilândia. Formada em economia, Rafaela aprendeu cedo que os preços são melhores fora da época convencional para esse tipo de comércio. “Desde que a minha filha começou a estudar, tenho o hábito de adquirir os produtos bem antes do início das aulas. Os preços são mais em conta. Tem escola também que oferece a opção de comprar o material por lá, mas sempre preferi ir às pesquisas. Percebo uma grande economia no bolso”, contou.

Leia mais notícias em Cidades

Os gastos com materiais escolares deve sempre ser previsto dentro do orçamento familiar, segundo o educador financeiro Reinaldo Lemos. Para ele, o mês atual é ideal para ir em busca de menores preços nos comércios especializados. “Tudo o que é adquirido fora da época em que todos estão procurando vem com um valor melhor para o consumidor. Quando poucas pessoas buscam, o preço não sobe. O pai tem a oportunidade de pagar de 20% a 50% menos nos produtos”, explica. Apesar do desconto, o especialista alerta que, antes de ir às compras, é necessário que o consumidor faça um diagnóstico em casa. “É preciso verificar se existem materiais que não foram utilizados pelo aluno no ano anterior. Isso evita que o pai e a mãe comprem um novo produto, sem a necessidade. Já é uma economia para o bolso”, aponta.

A Associação de Pais e Alunos do Distrito Federal (Aspa-DF) considera que os responsáveis devem analisar na lista aquilo que é de uso coletivo ou individual. “Estamos com problemas relacionados à norma de material coletivo. Muitas escolas não cumpriram para este ano letivo. Os pais devem ficar atentos e identificar eventuais abusos nas listas e cortar tudo aquilo que não for de uso exclusivo e restrito ao processo didático-pedagógico que tenha por finalidade o uso do aluno”, analisa Luís Claudio Megiorin, presidente da Aspa-DF.


A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade