Publicidade

Estado de Minas

Licitação de cones fica sob suspeita do Ministério Público de Contas do DF

A principal irregularidade seria exigências que restringem a competitividade das empresas


postado em 09/12/2014 06:35

Depois da polêmica envolvendo a licitação do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) para a compra de seis papa-cones no valor de R$ 2,6 milhões, outro processo está sob investigação do Ministério Público de Contas do Distrito Federal (MPC). Um pregão eletrônico aberto pela autarquia este ano para a compra de 5 mil cones de sinalização viária no valor total de R$ 891 mil foi considerado suspeito pelo MPC. A principal irregularidade seria exigências que restringem a competitividade das empresas. A compra não chegou a ser efetivada e tanto o MPC quanto o Tribunal de Contas do DF (TCDF) recomendaram que sejam feitos novos editais.

TCDF recomenda que DER adote especificações adequadas ao mercado e às necessidades da entidade(foto: Breno Fortes/CB/DA Press)
TCDF recomenda que DER adote especificações adequadas ao mercado e às necessidades da entidade (foto: Breno Fortes/CB/DA Press)


Entre as especificações do DER para a compra de cada cone era a altura mínima de 72cm e máxima de 75cm; peso máximo de 4kg e, refletividade de 750 candelas (referência para o grau de luminosidade do cone). Com essa última característica, apenas uma empresa poderia concorrer ao certame. O DER chegou a republicar o edital reduzindo a capacidade de luminosidade para 700 candelas, o que, segundo o MPC, ampliaria a concorrência.

Leia mais notícias em Cidades

Apesar da alteração, o MPC suspeitou de irregularidades no pregão. “Embora tenha havido a redução da refletividade, a concentração da aquisição dentro dessa especificação (85%, com preço superior em mais de 50%) nos conduz à indagação do motivo para se permitir a aquisição de tal índice de reflexão, como se fossem ser usados todos em operações noturnas, e, não, 250 candelas, que é o índice de refletividade aprovado”, detalha a representação do MPC.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade