Publicidade

Estado de Minas

Distritais da gastança: consultorias consumiram R$ 2 milhões da verba

Aylton Gomes (PR) é o campeão dos gastos com consultorias


postado em 27/03/2015 06:00 / atualizado em 26/03/2015 23:28

Primeiro lugar em gastos ficou com Aylton Gomes (PR) (e); segundo com Wellington Luiz (PMDB); e terceiro com Paulo Roriz (PP) (d)(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 15/10/13/Valério Ayres/Esp. CB/D.A Press - 19/5/10)
Primeiro lugar em gastos ficou com Aylton Gomes (PR) (e); segundo com Wellington Luiz (PMDB); e terceiro com Paulo Roriz (PP) (d) (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 15/10/13/Valério Ayres/Esp. CB/D.A Press - 19/5/10)

 

Não é só com gasolina que os deputados distritais torram dinheiro. As prestações de conta do ano passado mostram que só em consultorias (jurídica e especializada) e divulgação de atividade parlamentar — em ano eleitoral — foram consumidos mais de R$ 2 milhões da verba indenizatória. Aluguel de veículo também está entre os gastos preferidos dos políticos. Foram R$ 608.533 pagos em locadoras. Se levar em consideração esses quatro quesitos, cinco deputados torraram R$ 960.973 em 2014.

Aylton Gomes (PR) é o campeão dos gastos com consultorias. Toda a verba indenizatória declarada por ele — R$ 228 mil — foi destinada a essa área. Wellington Luiz (PMDB) vem em segundo lugar, com R$ 197.523, sendo a maioria em consultoria especializada. Paulo Roriz (PP) aparece na terceira posição, seguido por Benedito Domingos (PP) e professor Israel Batista (PV). Apenas Wellington e Israel foram reeleitos. Entre os que menos gastaram com essas despesas estão Chico Leite (PT), Luzia de Paula (PEN), Alírio Neto (PEN) e Chico Vigilante (PT). Vale ressaltar, porém, que Alírio e Luzia não cumpriram todo o mandato. Ela permaneceu na Câmara apenas de janeiro a março, quando Alírio, que era secretário de Justiça, retornou à Casa para tentar a reeleição.

Leia mais notícias em Cidades


Ao justificar as despesas, Aylton Gomes disse que os gastos estão detalhados na prestação de contas que ficou na Câmara. “Não há dificuldade em comprovar e mostrar que os gastos foram bem utilizados”, afirmou. Por meio da assessoria de imprensa, Wellington Luiz garantiu que usou o previsto na verba e não extrapolou nenhum limite. Benedito Domingos não quis comentar sobre os dados. Professor Israel afirmou: “O carro destina-se ao cotidiano parlamentar e recorremos à assessoria jurídica para tratar de temas específicos e que necessitam de auxílio técnico.” Paulo Roriz não foi encontrado pela reportagem.

Por mês, cada parlamentar tem direito a R$ 21.597 de verba indenizatória. O valor foi reajustado no ano passado (veja Memória). Eles usam o dinheiro com aluguéis, combustíveis, consultorias, divulgação parlamentar, entre outros itens. Têm até 90 dias para justificar os gastos. Eles não precisam usar toda a cota no mês, mas o próprio demonstrativo mensal do uso da verba, disponível no site da Câmara Legislativa, explica que “valores excedentes serão glosados e o saldo de verba não utilizado acumula-se para o mês seguinte”. Por isso, há deputados que declaram valores acima do total permitido.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.   

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade