Publicidade

Estado de Minas

Lei da faixa de pedestre completa 18 anos confrontada pelo descaso

Criada a partir do clamor popular diante dos acidentes de trânsito na década de 1990, a norma tem ajudado a salvar vidas. Mas ainda há muito a fazer. Em quase duas décadas, 90 pessoas morreram na travessia


postado em 29/03/2015 07:00 / atualizado em 29/03/2015 11:14

(foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A. Press)
(foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A. Press)

Brasília nasceu monumental. Na imensidão do cerrado, a capital ganhou traçado moderno e amplas avenidas. Abrigou os carros como nenhuma outra cidade brasileira. Na época, houve até quem duvidasse haver um dia veículos suficientes para preencher a quantidade de pistas do Eixão e as seis faixas do Eixo Monumental. Mas levou apenas três décadas para que a convivência no trânsito ficasse completamente saturada. Em 1995, havia por aqui 436 mil veículos. E, naquele ano, 825 pessoas morreram em acidentes — quase metade delas pedestres. Era difícil encontrar alguém que não tivesse perdido um familiar ou um amigo vítima de acidente de trânsito.

Ver galeria . 20 Fotos Para conter as atrocidades do asfalto, os anjos desceram do céu e invadiram as ruas de Brasília. A iniciativa foi de um empresário da cidade. Entre os participantes do projeto, o ator Jeff Moreir. Publicada em 22/10/1996.Tina Coelho/CB/D.A Press
Para conter as atrocidades do asfalto, os anjos desceram do céu e invadiram as ruas de Brasília. A iniciativa foi de um empresário da cidade. Entre os participantes do projeto, o ator Jeff Moreir. Publicada em 22/10/1996. (foto: Tina Coelho/CB/D.A Press )

Neste 1º de abril, a lei da faixa de pedestres — uma das medidas mais importantes no esforço para reverter as estatísticas avassaladoras e conquistar a civilidade no trânsito de Brasília — atinge a maioridade como um dos símbolos mais fortes de orgulho brasiliense. Apesar de reconhecida nacionalmente, a iniciativa que salva vidas é confrontada pelo descaso do poder público e pelo insistente desrespeito de uma parcela da população. A partir de hoje, o Correio Braziliense publica a série de reportagens Maioridade da faixa de pedestre, que traça uma radiografia desse imprescindível instrumento de segurança no trânsito.

A maior parte das faixas, porém, está apagada porque há mais de oito meses o Departamento de Trânsito (Detran) não renova a sinalização. O envolvimento das escolas públicas e privadas, que no passado foi parte essencial na conscientização da sociedade, resume-se a ações isoladas e esporádicas. As campanhas educativas de massa — de respeito à faixa e à legislação de trânsito em geral — simplesmente foram esquecidas e ocorrem somente em datas festivas.

Quase duas décadas após a promulgação da lei, a maioria dos motoristas respeita a faixa. Também é grande o número de pedestres que não abre mão do direito de atravessar a via em segurança. Mas há abusos de parte a parte. E ignorar a faixa está longe de ser uma “mera” infração. É um ato que tira vidas. Nos últimos 18 anos, 90 pedestres morreram no DF enquanto atravessavam sobre as listras brancas. No pior momento, em 2009, foram 11 vítimas. Números incapazes de expressar a dor de quem perdeu alguém de forma tão absurda e brutal.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade