Publicidade

Correio Braziliense

Coluna Visto, lido e ouvido, de Ari Cunha, é vasto arquivo da capital

Desde que o sonho de Juscelino Kubitschek se materializou em concreto, no meio do cerrado, a coluna Visto, Lido e Ouvido, do jornalista Ari Cunha, registrou cada acontecimento importante da cidade, assim como as homenagens


postado em 22/04/2015 06:02

Registros sobre o nascimento da cidade, as primeiras atividades, os acampamentos, as crônicas sobre a solidariedade dos que largaram a praia do Rio de Janeiro, a garoa de São Paulo ou os que trouxeram a saudade da família no Nordeste. Vieram para criar raízes misturadas com as do cerrado. As ações políticas, as opiniões contrárias à cidade que teimavam em jogar areia no sonho. Foi só misturar com a dureza de quem gosta de trabalhar com afinco que o sonho se concretizou.



A coluna Visto, Lido e Ouvido, assinada pelo jornalista Ari Cunha — hoje em parceria com sua filha, Circe Cunha —, tornou-se, nos últimos 55 anos, um mosaico de Brasília. E essa página é um mosaico da coluna — na verdade, uma pequena amostra do quanto Brasília é importante para o Correio e em especial para quem acompanha a capital desde o início. Encare como um convite a voltar no tempo e uma oportunidade de valorizar um passado de construção. Feliz novo ano, Brasília!

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade