Publicidade

Estado de Minas

Dois assaltos cometidos pelo mesmo jovem no Plano expõem alunos da região

O adolescente foi apreendido ainda na manhã de ontem pela polícia. Uma das vítimas segue hospitalizada


postado em 23/05/2015 08:01 / atualizado em 23/05/2015 09:13

Jovem que supostamente cometeu os crimes é levado por policial, com a arma usada: internado até o fim das investigações(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
Jovem que supostamente cometeu os crimes é levado por policial, com a arma usada: internado até o fim das investigações (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
 

 

Em menos de uma hora, um adolescente de 15 anos atacou dois estudantes do Distrito Federal com uma faca. As vítimas foram abordadas enquanto iam para instituições de ensino. A primeira, um menino de 13 anos, não tinha celular para entregar ao infrator e foi ferida no peito. O roubo ocorreu por volta das 7h30, quando o estudante do Leonardo da Vinci seguia para a escola, na 914 Norte. O suspeito teria fugido de ônibus e, pouco depois, atacou mais um estudante. Dessa vez, na 709 Sul. O jovem de 19 anos caminhava para a faculdade Processus, quando o menino o surpreendeu, às 8h30. Também estava sem aparelho de telefone e sofreu facadas no pescoço. Até o começo da tarde de ontem, ele permanecia sob os cuidados médicos. O adolescente infrator foi apreendido cerca de uma hora depois, em uma escola na 909 Sul. Ele indicou o local onde havia escondido a faca. Dados da Secretaria de Segurança Pública revelam que, por dia, o DF tem 92 roubos a pedestres. Foram 11.145 ocorrências nos quatro primeiros meses deste ano, contra 10.595 no mesmo período do ano passado.

Estudante do 8º ano, Igor Leão mora na 314 Norte e vai a pé para a escola diariamente. Às vezes, faz o trajeto acompanhado da mãe. Ontem, o menino estava sozinho e pouco antes, no Leonardo da Vinci, foi abordado pelo adolescente armado com uma faca. Ele pediu o celular da vítima. Assustado, Igor explicou que esqueceu o aparelho. “Tentei ficar bem parado e não reagir, só falei para ele que não estava com o celular”, contou o adolescente. O infrator não acreditou no menino e insistiu. “Ele achou que era mentira porque eu estava com o fone de ouvido”, disse Igor. Nesse momento, uma mulher que olhava pela janela em um dos prédios próximos ao local viu a ação e gritou, assustando o assaltante, que golpeou a vítima no peito e fugiu. Igor seguiu andando para a escola e recebeu os primeiros-socorros. A equipe da instituição ligou para a mãe do adolescente, para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e para o Batalhão Escolar da Polícia Militar.

Igor foi encaminhado para o Hospital de Base do DF (HBDF). Fez curativos e foi liberado em seguida. Visivelmente nervoso, deixou a unidade acompanhado dos pais, com um curativo na região do peito. A mãe dele, Ludmila Leão, estava assustada, mas aliviada porque o filho não teve ferimentos graves. “Normalmente, vou com ele, mas não pude ir hoje (ontem). Agora, vou passar a levá-lo sempre de carro. Achava que era uma área tranquila, mas me enganei”, reclamou.

Assaltado duas vezes

Enquanto Igor era levado para o hospital, o jovem que o assaltou cometeu mais um ataque. Dessa vez, na 709 Sul. A Polícia Militar suspeita que ele tenha ido para o local de ônibus. A vítima foi um estudante de direito de 19 anos, que pediu para não ter o nome divulgado. Ele estava acompanhado de um amigo. Os dois moram no Gama e, diariamente, descem em uma parada de ônibus na 508 Sul e seguem a pé para a faculdade Processus. “Fomos abordados enquanto passávamos por um beco. O menino mandou passar o celular, mas meu amigo tinha sido assaltado na última quarta-feira, então, estava sem o aparelho. Ele ficou com raiva, deu uma facada no meu amigo e logo fugiu”, contou o rapaz, que também não quis ser identificado.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade