Publicidade

Estado de Minas

Ciclistas x motoristas: relação de perigo constante na capital federal

Só neste ano, houve pelo menos cinco acidentes com veículos sobre duas rodas em Brasília; no mais recente deles, a vítima teve uma lesão grave no joelho direito e, por insegurança, vai parar de pedalar


postado em 16/06/2015 06:06 / atualizado em 16/06/2015 07:15

O triatleta Marcelo Tavares, 34 anos, se envolveu em dois acidentes quando pedalava no DF: lesões graves no joelho e no ombro(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O triatleta Marcelo Tavares, 34 anos, se envolveu em dois acidentes quando pedalava no DF: lesões graves no joelho e no ombro (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

 

A convivência entre motoristas e ciclistas está cada vez mais complicada na capital federal. Nos últimos dias, houve pelo menos duas colisões. A mais recente, ocorrida na quinta-feira (11/6), o advogado Fernando Freire Dias, 69 anos, invadiu a pista onde era realizado um passeio ciclístico e atropelou três pessoas no Parque da Cidade, na altura do Estacionamento 13. Uma das vítimas é o analista de tecnologia da informação Marcelo Alberto Rodrigues Tavares, 34 anos. Ele sofreu várias lesões, a mais séria no joelho direito. Em todo o ano passado, o Departamento de Trânsito (Detran) registrou 22 acidentes com morte envolvendo bicicleta. Em 13 anos, o número chega a 640 óbitos.



Leia mais notícias em Cidades

A rotina do triatleta Marcelo é a mesma há pelo menos dois anos: treinar para participar de competições locais. “Quando estávamos passando, o carro saía. Por precaução, apitei, ele chegou a diminuir a velocidade como se fosse parar, mas, quando estávamos muito perto, ele (o motorista) arrancou com tudo”, relembra o ciclista. Na tentativa de escapar do acidente, jogou a bicicleta para esquerda, mas não adiantou. O ciclista filmou a colisão com a câmera instalada no capacete. O motorista prestou socorro, e Marcelo foi encaminhado pelos bombeiros até o Hospital de Base do DF.

Prestes a completar um ano do primeiro acidente com bicicleta, quando precisou reconstruir o ombro esquerdo com sete pinos, Marcelo vai abandonar o esporte. “Não me sinto seguro em lugar nenhum no DF. Não tem como sair na rua com segurança. Faltam espaços seguros para pedalar. Vou sentir muita falta, funcionava como uma terapia para mim”, lamenta. Em 5 de junho, um ciclista foi atropelado no Park Way a caminho do trabalho.

O especialista em segurança no trânsito Paulo César Marques alerta que a tendência é, cada vez mais, a bicicleta ser inserida no trânsito. Mas, para ele, em Brasília, isso está acontecendo de uma forma que não proporciona segurança aos ciclistas. “A atitude do motorista brasileiro costuma ser hostil com quem não está em um veículo de quatro rodas. As velocidades nas cidades precisam ser moderadas para poder conviver com a bicicleta. Em algumas cidades europeias, por exemplo, a velocidade em vias onde as bikes também trafegam foi reduzida para 30km/h”, exemplifica.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade