Publicidade

Estado de Minas

Câmara Legislativa aprova proibição do aplicativo Uber no DF

Os 17 parlamentares em plenário, na última sessão do semestre no DF, consideraram que aplicativos como o Uber só podem cadastrar taxistas profissionais autorizados pelo governo


postado em 30/06/2015 19:24 / atualizado em 30/06/2015 22:27

Os deputados distritais aprovaram o Projeto de Lei nº 282/2015, que torna ilegal o aplicativo Uber no Distrito Federal. A decisão ainda precisa ser sancionada, mas os 17 parlamentares em plenário proibiram o aplicativo que conecta diretamente os clientes a carros particulares para o transporte pago de pessoas. Só podem rodar no DF, carros autorizados pelo governo. O documento é de autoria do deputado Rodrigo Delmasso (PTN).

 

Na última segunda-feira, cerca de 300 taxistas saíram em carreata do Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek ‎com destino ao Palácio do Buriti para cobrar do governo uma posição a respeito do aplicativo Uber. A presidente do Sindicato dos Permissionários de Táxis e Motoristas Auxiliares do Distrito Federal (Sinpetaxi), Maria do Bonfim, antecipou que os profissionais lotariam o plenário da câmara e ficariam olhando para cada deputado a fim de saber se algum votaria contra o Projeto de Lei que proíbe o aplicativo Uber de cadastrar motoristas que não sejam taxistas profissionais.

A Câmara Municipal de São Paulo também proibiu o uso do aplicativo em uma primeira votação. No total, 48 vereadores votaram a favor e um contra. 

 

Por meio de comunicado, a Uber reforçou que, até que o projeto de lei de lei seja sancionado pelo governador, o serviço continua operando normalmente em Brasília. "A Uber defende que os usuários têm o direito de escolher o modo que desejam se movimentar pela cidade. Em um momento que se fala tanto em mobilidade urbana, a inovação é crucial para que as cidades fiquem cada vez mais conectadas, transparentes e inteligentes. A Uber acredita que é possível criar novas oportunidades de negócio para milhares de motoristas parceiros e ao mesmo tempo oferecer novas opções de mobilidade urbana."  

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade