Publicidade

Estado de Minas

Coronel Brilhante Ustra morre, aos 83 anos, em hospital de Brasília

Em 2008, a Justiça reconheceu o militar como torturador. À Comissão da Verdade, ele negou a prática de crimes e disse que "combatia o terrorismo"


postado em 15/10/2015 09:40 / atualizado em 15/10/2015 12:47

(foto: Bruno Peres/CB/D.A Press)
(foto: Bruno Peres/CB/D.A Press)

O coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, 83 anos, morreu na madrugada desta quinta-feira (15/10) no Hospital Santa Helena, em Brasília. O ex-chefe de orgão de repressão durante a ditadura militar, estava internado desde 24 de setembro para se submeter a quimioterapia em tratamento contra um câncer. O coronel teve falência de múltiplos órgãos após grave quadro de pneumonia.  Ele já havia sido internado em abril deste ano por causa de um infarto.

Em maio de 2013, Ustra causou polêmica ao depor na Comissão da Verdade, quando negou que tivesse cometido crimes à frente do Doi-Codi paulista, sustentando que “combatia o terrorismo”. Negou mortes no órgão repressivo. Disse que todos as mortes “foram em combate nas ruas”.

Nascido em Santa Maria (RS) em 28 de julho de 1932, Ustra foi chefe, entre 1970 e 1974, do Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (Doi-Codi) do II Exército, órgão de repressão do regime militar (1964-1985). Em 2008, a Justiça reconheceu o militar como torturador.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade