Publicidade

Estado de Minas

PF deflagra operação contra cartel dos combustíveis no DF e Entorno

Gasolina era sobretaxada em 20% e sindicato perseguia "postos dissidentes" no esquema, segundo investigações. Policiais cumprem sete mandados de prisão, além de 44 ordens de busca e apreensão e 25 conduções para depor. Esquema permitia a uma única rede lucrar R$ 800 mil por dia


postado em 24/11/2015 07:37 / atualizado em 24/11/2015 11:02

Sede da Gasol, um dos alvos da operação Dubai(foto: Gustavo Moreno/CB/DA Press)
Sede da Gasol, um dos alvos da operação Dubai (foto: Gustavo Moreno/CB/DA Press)


A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (24/11) a Operação Dubai, contra um cartel de combustíveis que agia no Distrito Federal e Entorno. Segundo as investigações, a gasolina era sobretaxada em 20% para os consumidores, o preço do álcool era inflado para evitar sua penetração no mercado brasiliense e o sindicato dos postos era usado no esquema até para “perseguir” os empresários “dissidentes” do cartel. A apuração teve o apoio do Conselho Administrativo de Defesa da Econômica (Cade) e do Grupo de Atuação no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.

Dono da Gasol, Antonio Matias foi um dos presos na operação(foto: Gustavo Moreno/CB/DA Press)
Dono da Gasol, Antonio Matias foi um dos presos na operação (foto: Gustavo Moreno/CB/DA Press)


Entre os presos estão donos de postos de combustível, funcionários e representantes do setor
. Os policiais federais cumprem sete prisões preventivas, 25 conduções forçadas para investigados prestarem depoimento e 44 ordens de busca e apreensão de documentos. As ações ocorrem em residências e escritórios de pessoas e empresas envolvidas no esquema em Brasília, no Entorno e no Rio de Janeiro, sede das duas maiores distribuidoras de combustíveis do país.

Os prejuízos totais para os consumidores do Distrito Federal é de R$ 1 bilhão por ano apenas com a principal rede investigada, que vendia 1,1 milhão de litros de combustível por dia, com lucros que beiram os R$ 800 mil diário com o esquema, de acordo com a Polícia Federal.

Leia mais notícias em Cidades

De acordo com a PF, a estratégia era tornar o álcool combustível, o chamado etanol, inviável para o consumo perante a gasolina. “O cartel forçava os consumidores a adquirir apenas gasolina, o que facilitava o controle de preços e evitava a entrada de etanol a preços competitivos no mercado”,explica a corporação. “Foi também a elevação excessiva do preço do etanol que permitiu aos postos do distrito federal cobrar um dos maiores preços de gasolina do país, apesar do Distrito Federal contar com uma logística favorável para o transporte do combustível.”

As contas da PF indicam que a cada abastecimento de 50 litros, o consumidor brasiliense perdia 20% do que pagou, ou R$ 35.

Indícios
De acordo com informações do Cade, desde 2009, a extinta Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça, atualmente incorporada ao órgão antitruste, investiga, monitora e coleta informações relativas ao mercado de combustíveis no DF. "Ao longo desse tempo, foi reunida uma quantidade considerável de indícios econômicos de formação de cartel, envolvendo distribuidoras e postos revendedores", diz a nota do Cade.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade