Publicidade

Estado de Minas

Polícia divulga novo trecho de depoimento de assassino de Louise

No documento, Vinícius Neres revela que marcou diversos encontros no laboratório, e que ela sempre se negava a comparecer


postado em 18/03/2016 16:00

Vinícius contou que tentava reatar o namoro desde janeiro. Em resposta, ela desmarcava os encontros repetidamente(foto: PMDF/Divulgação)
Vinícius contou que tentava reatar o namoro desde janeiro. Em resposta, ela desmarcava os encontros repetidamente (foto: PMDF/Divulgação)
 
A Polícia Civil divulgou novos trechos do depoimento de Vinícius Neres, 19 anos, assassino confesso da estudante de biologia Louise Maria Ribeiro. Em 10 de março, em um laboratório da Universidade de Brasília (UnB), ele a desmaiou e a obrigou a engolir éter e, posteriormente, ocultou e ateou fogo ao corpo da jovem. A oitiva aconteceu nesta quinta-feira (17/3) no Centro de Detenção Provisória (CDP) do Complexo penitenciário da Papuda. Na conversa, Vinícius conta que chamou Louise ao laboratório por diversas vezes antes de ameaçar se matar para convencê-la a comparecer.

Leia mais notícias em Cidades.

Vinícius contou que tentava reatar o namoro desde janeiro. Em resposta, ela desmarcava os encontros repetidamente. Ele disse à polícia que “suspeita que isso aconteceu porque ela não queria mais nada com o interrogando”. As negativas da jovem o fizeram sentir-se “abandonado e desprezado e isso foi martelando, martelando”. O termo martelando significaria que isso aumentou a vontade de suicídio do jovem, então aluno da UnB.

O suspeito voltou a dizer que não premeditou o crime. Segundo ele, durante a conversa com a jovem, sentiu uma raiva absurda de Louise e que “estourou”. Ele disse, ainda, que sofreu decepções enquanto namorava e que pensava nela com amor e amargura. Ainda segundo Vinícius, no momento do assassinato, ele “sentiu uma sensação de controle, o que na hora foi muito bom. Mas lembrar disso dói”.

Por fim, ele encerrou o depoimento afirmando que, “ao pensar sobre o crime, vários sentimentos ruins afloram, entre eles, raiva, arrependimento, controle, angústia e dor”. O documento com a oitiva foi liberado no dia em que familiares e amigos da jovem se reuniram na Paróquia São Miguel e Santo Expedito, na Entrequadra 303/304 Norte, para a missa de 7º dia dela. A igreja foi escolhida por ser o local onde a estudante de biologia fez catequese.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade