Publicidade

Correio Braziliense

UnB investiga protesto com ataques homofóbicos e racistas no campus

Com bombas, roupas pretas e bandeiras do Brasil, grupo agrediu estudantes no Instituto Central de Ciências (ICC), na noite desta sexta-feira (17/6)


postado em 18/06/2016 09:50 / atualizado em 18/06/2016 18:10

A Universidade de Brasília (UnB) investiga a atuação de um grupo de manifestantes na noite desta sexta-feira (17/6) que resultou em ataques homofóbicos e racistas a estudantes que estavam no Instituto Central de Ciências (ICC), conhecido como Minhocão. Segundo relatos, os manifestantes chegaram ao local por volta das 20h, gritando palavras de protesto, exigindo a volta da ditadura militar. Eles ainda teriam feito o uso de bomba caseira. A instituição afirma que ainda apura o caso.

Leia mais notícias em Cidades

O grupo chegou a caminhar pelo local. O prefeito do câmpus, professor Marco Aurélio de Oliveira, recebeu relatos de que, durante o protesto, alunos que passavam perto dos manifestantes eram agredidos verbalmente, principalmente com frases racistas. “Sabemos que a ação foi muita rápida. As informações ainda são muito desencontradas. Na segunda-feira (20/6), vamos intensificar a busca de depoimentos de alunos e funcionários que estavam de plantão”, detalhou.

Dois estudantes registraram ocorrência na 2ª Delegacia de Policia (Asa Norte). Em depoimento, eles disseram que estavam saindo do ICC em direção ao estacionamento, quando foram abordados pelos manifestantes. Os universitários disseram que o grupo ameaçou agredi-los. A dupla de alunos teria ainda sido seguida por um motociclista vestido todo de preto. O homem arremessou objetos no carro dos alunos. A Polícia Civil investiga o fato.

Na redes sociais circula um vídeo em que pessoas vestidas de preto e com camisas da seleção brasileira agridem estudantes da instituição. "Eu sou empresária, pago imposto carissímo pra manter esse parasita. Gay, safado, parasita", grita uma mulher a um aluno. O vídeo também mostra o momento em que uma bomba caseira é lançada no ICC. Entre as manifestantes, aparece Kelly Bolsonaro, ativista de direita, que invadiu o campo do Mané Garrincha durante o jogo do Flamengo e Fluminense, em fevereiro deste ano. Na ocasião, ela levantou um cartaz exigindo a saída da presidente Dilma Rousseff.

 

DCE se manifesta

 

Em sua página no Facebook, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UnB diz que o grupo de pessoas fez a manifestação usando  megafones e tambores na entrada do ICC Norte, durante o horário de aula da noite.


"Após a reclamação de alguns alunos devido ao barulho, que estava atrapalhando as aulas, os mesmos manifestantes reagiram com gritos ofensivos e preconceituosos, além de ameaçarem estudantes e soltarem dois 'cabeções' no local".


"O DCE repudia esse ato de violência e intolerância. Não podemos aceitar atitudes como essa em nossa universidade, que são uma agressão a toda a comunidade da UnB. Acreditamos que a universidade é um espaço simbólico de debate e reflexão e, em razão disso, é importante que seja palco de manifestações políticas. No entanto, o respeito à pluralidade de ideias deve estar em seu fundamento."


Ainda de acordo com o diretório, até o momento, as pessoas envolvidas não foram identificadas como alunos da UnB. "Estamos em contato com os presentes no local e com a Administração da UnB para tomar as medidas necessárias." 

Em uma página nas redes sociais intitulada "Ato contra o discurso de ódio, o fascismo e a violência na UnB", representantes de diversos Centros Acadêmicos da universidade convocam a comunidade acadêmica para um ato contra os ataques sofridos pelos estudantes da instituição na última sexta. A convocação é para a próxima segunda-feira (20/06), a partir das 12h, no espaço conhecido como Ceubinho. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade