Publicidade

Correio Braziliense

Mãe e pastora são liberadas pela Justiça após audiência de custódia

Elas foram presas acusadas de manter sob tortura e em cárcere privado uma criança de 7 anos


postado em 07/08/2016 12:19 / atualizado em 07/08/2016 14:41

As duas mulheres presas acusadas de manter sob tortura e em cárcere privado uma criança de 7 anos na Ceilândia estão em liberdade provisória. O indulto foi concedido após audiência de custódia realizada no último sábado (6/8) no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. O alvará de soltura já foi expedido. As informações são da Polícia Civil do Distrito Federal.

 

Uma das mulheres é a mãe da menina, 44 anos, e a outra é a pastora da igreja, 45 anos. Elas foram presas na sexta-feira (5/8). Segundo a Polícia Militar, após o resgate, a criança teve que ser encaminhada para o Hospital Regional de Ceilândia (HRC) para receber transfusão de sangue por causa de uma anemia aguda. A suspeita é que a vítima tenha permanecido por mais de um mês sem se alimentar direito. Por isso, ficou anêmica. Para chegar até o cárcere, a Polícia Militar contou com a ajuda de uma denúncia anônima.


A PMDF informou que a mãe havia sido alertada pela pastora que a criança estava possuída pelo demônio e que, para melhorar, deveria ficar trancafiada no quarto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade