Publicidade

Estado de Minas

Polícia abre portão alternativo do DPE para garantir saída de rabecão

A Polícia Civil confirmou que quem impedir a realização de serviço essencial responderá nas formas da lei. No entanto, o presidente do Sinpol, Rodrigo Franco, permaneceu com a posição e informou que também há piquete no portão que dá acesso ao Parque da Cidade para impedir a saída dos carros


postado em 20/10/2016 14:08 / atualizado em 20/10/2016 14:17

Para tentar minimizar os impactos do piquete que policiais civis fazem em frente ao Complexo da Polícia Civil desde a manhã desta quinta-feira (20/10), foi aberto o portão do Departamento de Polícia Especializada (DPE) que dá acesso ao Parque da Cidade para garantir a saída dos carros do rabecão do Instituto de Medicina Legal (IML). A informação é da Divisão de Comunicação da Polícia Civil (Divicom). O órgão confirmou que a medida é para garantir o recolhimento dos corpos em regiões administrativas do Distrito Federal e hospitais.

A Polícia Civil confirmou que quem impedir a realização de serviço essencial responderá nas formas da lei, mas o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF), Rodrigo Franco, manteve a posição. “Nós vamos continuar com o movimento e com a nossa cartilha de paralisação”, informou.
 
Franco também destacou que o movimento dos servidores na porta do Complexo da Polícia Civil tem garantido apenas a entrada de trabalhadores. “Não está saindo ninguém e estamos com o piquete nas duas portas, inclusive na que dá acesso ao Parque da Cidade”, confirmou. Segundo ele, o impedimento no recolhimento de corpos não ameaça a saúde pública. “Eles são levados aos hospitais que tem cama frigorífica. Amanhã (sexta-feira) o rabecão faz o recolhimento”, disse.
 
Policiais civis fazem uma assembleia a partir das 14h desta quinta-feira (20/10) em frente ao Complexo da Polícia Civil para decidirem os rumos do movimento. Na segunda-feira (17/10) eles fizeram o primeiro dia de paralisação da semana. Segundo o presidente do Sinpol, a categoria esteve reunida com o Governo do Distrito Federal (GDF) para tentarem um acordo. Os servidores reivindicam a manutenção da paridade do reajuste salarial com a Polícia Federal que conseguiu 37% de aumento. "Avisamos que teríamos assembleia hoje (quinta-feira), mas, até agora, nada de resposta (do governo)", lamentou Franco.
 
O Correio procurou a Secretaria da Casa Civil, Relações Institucionais e Sociais e aguarda resposta.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade