Publicidade

Correio Braziliense

Atenção motoristas: multas estão mais salgadas a partir de hoje

Novos valores variam de 52,8% a 66,1%. Reajuste divide opinião de condutores. Apesar de concordar com a medida, especialistas acreditam que ela precisa vir ao lado de mais campanhas educativas


postado em 01/11/2016 06:20 / atualizado em 01/11/2016 14:26

 

 

As multas de trânsito estão mais caras a partir de hoje. Todas as categorias de transgressão — leve, média, grave e gravíssima — sofreram reajustes, que variam de 52,8% a 66,1%. Além do aumento, algumas condutas corriqueiras dos motoristas foram agravadas. Falar ao celular, por exemplo, deixou de ser uma infração média e agora é considerada gravíssima. Com isso, o preço pelo desrespeito pula de R$ 85,13 para R$ 293,47. A mudança divide opiniões de motoristas, mas é aprovada com ressalvas por especialistas de trânsito ouvidos pelo Correio.

Estacionar em local proibido renderá mais dinheiro: o reajuste para quem parar em vaga de idoso subiu 452%(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Estacionar em local proibido renderá mais dinheiro: o reajuste para quem parar em vaga de idoso subiu 452% (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
O aposentado Edivaldo Tinoco, 54 anos, acha o aumento dos valores abusivo. Para ele, a falta de estrutura, como escassez de estacionamento, impede que as pessoas respeitem fielmente as normas. “Pagamos IPVA para ter acesso às vias públicas. O governo não oferece ao cidadão, por exemplo, estacionamentos que comportem o tanto de carro. Além disso, sou contra o aumento, pois, acredito que não é isso que impedirá a pessoa de descumprir a lei”, diz Edivaldo.

Leia mais notícias em Cidades

Falar ao celular enquanto dirige passou a ser considerada falta gravíssima: multa agora chega a R$ 293,47(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Falar ao celular enquanto dirige passou a ser considerada falta gravíssima: multa agora chega a R$ 293,47 (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Apesar do protesto do aposentado, quem insistir em ignorar as normas de trânsito terá que reservar uma parcela maior do orçamento para pagar a conta. Quem dirigir alcoolizado, em vez de R$ 1,9 mil, desembolsará R$ 2,9 mil. O valor é aplicado em dobro nos casos de reincidência no período de 12 meses, ou seja, R$ 5,8 mil. Somente este ano, a fiscalização aplicou 11.916 multas de Lei Seca. E não adianta se recusar a fazer o teste do bafômetro acreditando que será mais fácil se safar da punição. Agora há um artigo específico para esses casos. E o valor é o mesmo: R$ 2,9 mil.

Para Edivaldo, apesar de o cidadão pagar IPVA, governo não faz sua parte (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Para Edivaldo, apesar de o cidadão pagar IPVA, governo não faz sua parte (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Para Silvain Fonseca, diretor de Policiamento e Fiscalização de Trânsito do Detran, as alterações farão com que uma parcela de condutores evite levar multas. Ele ressalta a mudança em relação ao uso do telefone. “O rigor maior para uso de celular era esperado e necessário. Pesquisas revelam que dirigir e digitar mensagem equivale a conduzir o veículo alcoolizado. O risco de acidentes é altíssimo”, alerta.

Alcionei concorda, em parte, com o reajuste: diferentes condutas (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Alcionei concorda, em parte, com o reajuste: diferentes condutas (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Os condutores que por descuido, pressa ou gosto pela velocidade ultrapassarem os limites permitidos devem redobrar os cuidados. Como a fiscalização é eletrônica — feita por radares, pardais ou barreiras eletrônicas —, a punição é certa. Mesmo com todos os endereços dos equipamentos divulgados nos sites do governo, os apressados foram multados 1.626.602 vezes este ano. Alguns mais de uma vez. O empresário José Antônio, 61, morador do Lago Sul, compara o carro a uma arma. “Quem usa o carro precisa ter consciência de como usá-lo (com segurança)”, disse ao defender o reajuste da punição.



A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade