Publicidade

Correio Braziliense

Grupo de extermínio: oito PMs goianos são levados para depor na PF

A organização criminosa, segundo a PF, especializou-se na ocultação de cadáveres


postado em 11/11/2016 10:55 / atualizado em 11/11/2016 19:30

Em decorrência da segunda fase da Operação Sexto Mandamento, deflagrada na madrugada desta sexta-feira (11/11), policiais federais levaram oito policiais militares goianos para depor à força na Superintendência da PP em Brasília. O procedimento é conhecido como condução coercitiva. A organização criminosa, segundo a Polícia Federal, especializou-se na ocultação de cadáveres.

 

Leia mais notícias em Cidades

A Assessoria de Comunicação da Polícia Militar de Goiás confirma a detenção dos integrantes da corporação. No entanto, a Assessoria afirma não ter “informações sobre o procedimento legal que deu origem à medida coercitiva executada”.

 

Entre os PMs detidos está o tenente-coronel Ricardo Rocha, comandante de Policiamento da Capital (Goiânia). Ele já havia sido preso por quatro meses na primeira fase da Operação Sexto Mandamento, em 2011. Em 2014, foi a júri popular pela morte de Marcelo Coka da Silva, ocorrida 10 anos antes.

Ricardo Rocha, que assumiu o comando do policiamento da Região Metropolitana de Goiânia em fevereiro, é apontado como autor de mais de 100 mortes no estado(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Ricardo Rocha, que assumiu o comando do policiamento da Região Metropolitana de Goiânia em fevereiro, é apontado como autor de mais de 100 mortes no estado (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

 

Mesmo assim, acabou escolhido pelo governador Marconi Perillo (PSDB) como comandante do Policiamento de Goiânia. Rocha foi escolhido para integrar um plano de segurança do governo de Goiás para reduzir a criminalidade no estado. Em meio à repercussão negativa, Perillo saiu em defesa de Rocha dizendo que ele era um profissional exemplar.

 

A Polícia Federal deflagrou na madrugada desta sexta-feira (11) a segunda fase da Operação Sexto Mandamento. Os 140 policiais envolvidos na ação estão responsáveis por cumprir três mandados de prisão temporária, 19 mandados de busca e apreensão além de 17 conduções coercitivas contra pessoas investigadas por suspeita de integrarem um grupo de extermínio atuante em Goiás. As ações ocorrem em Goiânia, Alvorada do Norte e Formosa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade