Publicidade

Estado de Minas

Vereadores de Goiás aumentam os próprios salários durante feriado

Valor sobe de R$ 5,5 mil para R$ 7,5 mil, reajuste correspondente a 36%. A decisão foi tomada em uma reunião relâmpago, na última segunda-feira (14/11), em meio ao feriado prolongado


postado em 17/11/2016 11:08 / atualizado em 17/11/2016 15:53

(foto: João Bosco Saramago/Flickr)
(foto: João Bosco Saramago/Flickr)
 
Os nove vereadores da cidade de Goiás, mais conhecida como Goiás Velho, ignoraram a grave crise econômica que atinge todo o país e decidiram aumentar os próprios salários, mesmo sob protestos dos moradores. Os ganhos vão passar de R$ 5,5 mil para R$ 7,5 mil, a partir de janeiro de 2017. 

Detalhe: a decisão foi tomada na última segunda-feira (14/11), em meio ao feriado prolongado, em função da data da Proclamação da República (15). Sabendo da reunião e da pauta, que deveria ser secreta, moradores correram para a Câmara Municipal e lotaram as poucas cadeiras destinadas ao público. Mesmo sob protesto dos contribuintes, os vereadores fizeram uma votação a toque de caixa para se autobeneficiarem. 
 
O novo valor dos salários dos vereadores de Goiás Velho corresponde a um aumento de 36%. O texto que propunha o aumento já havia sido vetado, inicialmente, pela prefeita da cidade, Selma Bastos (PT). No entanto, os vereadores derrubaram o veto por 5 votos a 4.
 

Cidade histórica

Goiás Velho tem 25 mil habitante e fica a 320km de Brasília e a 140km de Goiânia. Primeira capital do estado, com o seu centro histórico declarado pela Unesco como Patrimônio da Humanidade, devido  à grande quantidade de casarões do período colonial brasileiro, o município sofre há anos como uma série de problemas financeiros e estruturais. 

A cidade enfrenta epidemias de dengue anualmente. O seu serviço de saúde pública é precário. Os casos de violência urbana só crescem, assim como o desemprego. Quando chove forte, o centro histórico alaga em função da cheia do que corta quase todo o município. Cheias provocadas por causa do desmatamento e das ocupações irregulares no entorno dele. No período de seca, falta água na maioria dos imóveis, com racionamento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade