Publicidade

Correio Braziliense

Empresário é preso por manter 15 trabalhadores confinados e sem comida

O grupo estava em um caminhão abordado na BR-080, na entrada de Brazlândia. Eles vieram de vários estados para vender panelas e outros objetos


postado em 01/12/2016 11:11 / atualizado em 01/12/2016 15:17

Policiais perguntam a trabalhadores sobre as condições de trabalho a que eram submetidos(foto: Polícia Militar/Divulgação)
Policiais perguntam a trabalhadores sobre as condições de trabalho a que eram submetidos (foto: Polícia Militar/Divulgação)
 
Um empresário foi preso e levado para a Superintendência da Polícia Federal, em Brasília, suspeito de explorar 15 pessoas de diversos estados, principalmente do Nordeste do país, em condições de trabalho forçado, sem benefícios nem assistência.  

Policiais militares que fizeram o flagrante contaram que os homens vendem panelas em diversas regiões do Distrito Federal, sem praticamente receber nada em troca. Eles dormem em caminhões e ônibus, ficam sem comida suficiente, e, em alguns casos, iam para uma chácara do amigo do empresário. Além disso, passam quatro meses do DF e, depois, são devolvidos para o Nordeste, sem quase nenhum dinheiro.

Os trabalhadores eram transportados em um caminhão, que foi parado pela polícia(foto: Polícia Militar/Divulgação)
Os trabalhadores eram transportados em um caminhão, que foi parado pela polícia (foto: Polícia Militar/Divulgação)
Os policiais conseguiram identificar a situação quando abordaram um caminhão, na manhã desta terça-feira (1/12), na entrada de Brazlândia, na BR-080. De acordo com o serviço de comunicação da PM, no veículo estavam as 15 pessoas, com panelas e outros objetos que seriam vendidos.

O dono do caminhão seria o empresário e agenciador. Ele contrararia trabalhadores de vários estados, principalmente do Ceará e da Paraíba.
 
Os PMs levaram o grupo para a PF porque, como se trata de crime análogo à escravidão, o caso só pode ser tratado pela Polícia Federal. Agentes da PF vão ouvir as vítimas e, depois, devem indiciar o autor, identificado como um cidadão da Paraíba.  
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade