Publicidade

Correio Braziliense

Família de vítima esfaqueada no carnaval reclama após agressor ser liberado

Luan Ferreira Máximo atingiu, nas costas, o soldado do Exército Yocanaan Abreu. Cenas de violência foram registradas pelo repórter fotográfico do Correio


postado em 02/03/2017 06:00 / atualizado em 02/03/2017 08:28

Ver galeria . 4 Fotos A equipe do Correio flagrou várias brigas durante o desfile de dois dos maiores blocos do Distrito Federal, inclsuive o momento em que um rapaz esfaqueava outro: o homem que desferiu os golpes foi detido pela PM na RodoviáriaMinervino Junior/CB/DA Press
A equipe do Correio flagrou várias brigas durante o desfile de dois dos maiores blocos do Distrito Federal, inclsuive o momento em que um rapaz esfaqueava outro: o homem que desferiu os golpes foi detido pela PM na Rodoviária (foto: Minervino Junior/CB/DA Press )

A liberdade concedida ao jovem de 18 anos preso por esfaquear outro no bloco carnavalesco Raparigueiros causou a revolta da família da vítima. Mesmo com as imagens e a ocorrência registrada pela vítima, a Polícia Civil alegou falta de materialidade para justificar a soltura de Luan Ferreira Máximo.

As fotos mostram que Luan atingiu, nas costas, o soldado do Exército Yocanaan Abreu Meirelles Júnior, 20. O agressor fugiu, mas foi capturado perto da Rodoviária do Plano Piloto ao ser reconhecido pelas imagens publicadas no site do Correio. Depois de levado para a 5ª DP (Setor Central), Luan foi liberado à 0h20 de ontem. O acusado responderá por lesão corporal, mas não ficou preso  porque a vítima prestou queixa depois desse horário.

 

Leia mais notícias em Cidades 


A família de Yocanaan classificou a decisão dos plantonistas da 5ª DP como “desrespeitosa”. O irmão da vítima, Thiago Cassiano Meirelles, 30, entendeu que houve tentativa de latrocínio. Soldado da PM há quatro anos, foi ele quem levou o irmão à delegacia. “Foi o tempo de os bombeiros fazerem um curativo nele. Quando chegamos, o meliante tinha sido solto. Ele ficou 40 minutos na delegacia, mesmo com o pedido dos policiais que conduziram o flagrante para esperarem as vítimas”, reclamou.

Yocannan participava do bloco com alguns amigos. Na festa, um homem puxou o relógio do pulso dele. O soldado do Exército tentou segurá-lo e impedir que ele corresse, mas foi surpreendido por Luan. O militar empurrou o suspeito, que reagiu com uma facada. Além do ferimento, ele e os amigos ficaram com hematomas no corpo ao tentarem se defender. “É um total desrespeito. Não só com a vítima, mas com a sociedade”, lamentou Thiago.



A Polícia Civil informou que “a não localização de vítimas e a falta de registro oficial impedem a lavratura do flagrante, mesmo diante de imagens de câmeras.” Sobre a ocorrência feita por Yocannan, a corporação respondeu que “o registro posterior à soltura do suspeito não poderia ter surtido efeito para o flagrante, já que não havia mais ninguém detido.”

Para o especialista em segurança pública da Universidade de Brasília (UnB) Antônio Testa, a liberdade do agressor demonstra brechas na legislação. “A interpretação é subliminar. A materialidade, de fato, seria a vítima, mas esse é mais um problema da nossa lei. Hoje, temos o poder da internet, as tecnologias que podem ser usadas para contribuir na solução de crimes. Se a lei não for atualizada, infelizmente, o policial que o liberou pode ter razão, por mais absurdo que pareça.”


Testa também analisou a sequência de imagens feitas pelo Correio. Na visão do especialista, Luan estava determinado para cometer a violência. “A forma com que ele segura a faca, com a lâmina voltada para dentro e com concentração no alvo, demonstra sua periculosidade”, conclui.

Autor de facadas no carnaval é liberado logo após ser detido(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Autor de facadas no carnaval é liberado logo após ser detido (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade