Publicidade

Correio Braziliense

Cerveja fabricada em Brasília ganha medalha em festival nacional

Brasília foi representada pela cerveja Angel Dust, uma belgian double ipa. O rótulo da Microcervejaria X ganhou a medalha de bronze no estilo Pale American-Belgo Style


postado em 08/03/2017 21:55 / atualizado em 08/03/2017 22:15

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)
 O mercado de cervejas artesanais do centro-oeste ganha cada vez mais espaço no cenário nacional. Cinco rótulos acabaram de ser premiados no Festival Brasileiro da Cerveja, considerado o terceiro maior campeonato cervejeiro do mundo, e o maior do Brasil. Os destaques ficam por conta de uma cerveja da candanga Micro X e outra da goiana Colombina.
 
 
Brasília foi representada pela cerveja Angel Dust, uma belgian double ipa. O rótulo da Microcervejaria X ganhou a medalha de bronze no estilo Pale American-Belgo Style. A Micro, uma cervejaria cigana que acertou em cheio com seus produtos e é comandada por Alexandre Xerxenevsky, não para de surpreender. A bebida candanga foi avaliada junto a mais de duas mil amostras, enviadas por 332 cervejarias artesanais de todo o país. Um júri formado por especialistas de 20 países diferentes analisou às cegas os exemplares para distribuir 256 medalhas ao todo, contemplando diferentes estilos da bebida.
 
Uma dessas 256 condecorações foi para o Goiás, que também marcou presença na elite da cerveja artesanal brasileira. A Cervejaria Colombina conquistou a prata com a Colombina Lager, no estilo Munich Helles — a cervejaria já havia ganhado o bronze em outras duas oportunidades, 2014 e 2014. "O mais importante é a representatividade dessa competição, que já é a terceira maior do mundo", explicou o sommelier de cerveja Alberto Nascimento, diretor comercial da Colombina. "Ganhar uma medalha no Festival Brasileiro é ótimo para qualquer cervejaria porque traz um prestígio interessante no mercado nacional e ajuda a mostrar o ótimo trabalho que vem sendo feito no centro-oeste."
 
A expressividade do campeonato aumenta a cada ano, enquanto em 2015 foi registrada a inscrição de 874 amostras, esse ano o número de produtos analisados saltou para 2034. A cadeia produtiva de cervejas artesanais também tem crescido nos últimos tempos. Ano passado, 222 cervejarias participaram do Festival. Este ano, 332 estavam concorrendo.
 
Nesse cenário em plena expansão, o mercado do centro-oeste tem conseguido conferir visibilidade ao bom trabalho. Na classificação geral dos Estados, não chegamos nem perto do Rio Grande do Sul (58 medalhas), Santa Catarina (51), Paraná (47) e São Paulo (46), mas conquistamos cinco premiações nesta edição – foram duas no Goiás, duas em Mato Grosso e uma no DF –, mostrando que a região está no caminho certo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade