Publicidade

Correio Braziliense

Família encontra mulher que estava desaparecida desde a terça-feira

Marlene Isabel de Sousa foi encontrada perto de sua casa, na QE 19, às 2h desta quinta-feira (20). Ela tinha desaparecido após tentar uma consulta médica no HFA


postado em 20/04/2017 09:37 / atualizado em 20/04/2017 11:42

Marlene desapareceu após ida a consulta no Hospital das Forças Armadas (HFA), no sudoeste(foto: Oswaldo de Sousa/Arquivo Pessoal)
Marlene desapareceu após ida a consulta no Hospital das Forças Armadas (HFA), no sudoeste (foto: Oswaldo de Sousa/Arquivo Pessoal)
 

Uma moradora do Guará II, tida como desaparecida desde a manhã da última terça-feira (18/4), foi encontrada pela família próximo à sua residência, na QE 19, na madrugada desta quinta-feira (20).

A família ainda não conseguiu entender o que aconteceu com Marlene Isabel de Sousa, 56 anos. Com histórico de doenças psiquiátricas, ela vinha demonstrando descontrole emocional nos últimos dias e, desde que foi encontrada, se mostra muito abalada.

Segundo o irmão de Marlene, Oswaldo de Sousa, 60 anos, ela foi fazer uma consulta médica, por conta de uma dor no pé, no Hospital das Forças Armadas (HFA) por volta das 10h de terça. Depois da consulta, ela chegou a ligar de um orelhão em frente ao hospital. "Ela ligou para o telefone da irmã, meu cunhado atendeu, mas ela não disse nada e a ligação caiu", contou Oswaldo.

 

Buscas por hospitais

 

A família começou, então, as buscas pelas ruas próximas ao hospital e chegou a ir a outras unidades de saúde e ao Instituto Médico Legal (IML). Sem respostas e muito preocupados, a apreensão fez a família procurar o Correio na quarta-feira, que divulgou o desaparecimento de Marlene. Oswaldo conta que, em poucas horas, recebeu muitas ligações de pessoas que afirmaram tê-la visto.

Alguns contavam que ela estava perto da Rodoviária do Plano Piloto, mas a família só a encontrou na madrugada desta quinta-feira, a algumas ruas de casa, já no Guará. "Deduzimos que ela conseguiu juntar dinheiro para pegar um ônibus e, de lá, voltou para casa, mas ela ainda está em choque e não comentou sobre o caso conosco", conta Oswaldo.

 

* Estagiário sob supervisão de Humberto Rezende.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade