Publicidade

Correio Braziliense

Mulher nega maus-tratos a cachorros resgatados no Guará

Os cães estavam em um ambiente sujo, segundo a proprietária da casa, porque ela passou mal e não conseguiu limpar o local


postado em 05/08/2017 11:00 / atualizado em 05/08/2017 11:00

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)
A dona de 12 cachorros, duas fêmeas e 10 filhotes da raça Golden Retriever, que pediu para não ser identificada, negou maltratar os animais. Ela foi denunciada e teve os animais recolhidos. Ao Correio ela alega que cuida dos chachorros com muito carinho e, por motivo de saúde, não conseguiu limpar o casa em que vive com eles. A acusação de maus tratos ocorreu na tarde de quarta-feria (3/8). Após denúncia anônima, a Polícia Ambiental foi até a residência dela, no Guará e encontrou o local sujo.
 

A proprietária dos bichos conta que estava no trabalho quando recebeu ligação dos vizinhos para informá-la da denúncia. Ao chegar na rua de casa, foi abordada pelos policiais. “Eu não consegui explicar a situação, tinham outras 50 pessoas de ONGs na rua e uma mulher insistindo para levar meus cachorros, dizendo que eu não deveria ficar com eles”, conta.

Ela disse que compareceu à delegacia para prestar esclarecimentos e assinou termo de compromisso se responsabilizando pelos animais, mas não pôde levá-los para casa. A guarda dos animais ficou com a senhora que demonstrava interesse pelos bichos. “Minhas cachorras mais velhas choraram, estavam assustadas e com medo, não queriam ir embora com a mulher. Então, ela pegou a cachorra no colo e colocou no carro dela”, relata. 

A dona dos animais disse que sente medo. “Estou me sentindo muito desmoralizada com isso, as pessoas estão me xingando, falando que eu tenho um canil de fundo de quintal e me ameaçando. As cachorras são minhas amigas, minhas companheiras e arrancaram elas de mim. Entraram na minha casa e não me deram nem condições de explicar”, conta.

Justificativa

A dona dos bichos alega que passou mal na quarta-feira (2), após uma forte crise de enxaqueca e, por esse motivo, não conseguiu limpar a casa. “Eu não consego levantar da cama e quando tenho essas crises eu chego a vomitar. Eu moro sozinha e não tinha condições de limpar a casa, os vizinhos podem confirmar que meus animais são bem tratados”, justifica. 

A cachorra mais velha, Leidy, tem quatro anos e a mais nova, Flor, é a mãe dos filhotinhos. No início do ano, ela viajou para Caldas Novas na companhia de Flor. “Ela era filhotinha e eu deixei a outra cachorra na casa da minha mãe, em uma chacára”.
 
Segundo a proprietária, Flor teve filhotes depois de decidir colocar a cadela para cruzar porque ela estava muito agitada durante o cio. Cinco cachorros seriam doados para o dono do cachorro que cruzou com Flor, os outros cinco seriam vendidos. “Eu cuido muito bem dos meus animais. Tenho como provar com recibos das consultas veterinárias e remédios. Eu tenho o direito de vender eles”, relata. Os filhotes nasceram no dia 7 de julho e só seriam doados e vendidos após desmamarem da mãe, em média, depois de 60 dias. 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade