Publicidade

Correio Braziliense

Hospital de Base descarta transferência de ex-senador boliviano ao HFA

Respirando por aparelhos no Hospital de Base, o quadro dele segue instável, por isso a transferência foi descartada


postado em 14/08/2017 21:09 / atualizado em 14/08/2017 21:37

Equipe do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás presta primeiros socorros à vítima(foto: CBMGO/Divulgação)
Equipe do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás presta primeiros socorros à vítima (foto: CBMGO/Divulgação)

O Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF) descartou a possibilidade de transferir o ex-senador da Bolívia Roger Pinto Molina para um leito na UTI ao Hospital das Forças Armadas (HFA), pois ele permanece instável e continua a respirar com o auxílio de aparelhos.

 

Leia mais notícias em Cidades

 

Molina, 57 anos, sofreu politraumatismo — com traumatismo cranioencefálico — após o avião de pequeno porte que ele pilotava cair próximo ao Clube Aeronáutico de Luziânia, no sábado (12/8). Hospitalizado no mesmo dia do acidente, os médicos fizeram a drenagem bilateral no tórax e traqueostomia de urgência. Ele havia conseguido um leito na UTI do Hospital das Forças Armadas (HFA), mas o quadro de saúde se manteve instável durante todo o dia.

 

Asilo 

 

O ex-senador pediu abrigo à Embaixada do Brasil em La Paz em maio de 2012. Em junho, o país concedeu o asilo. Ele só veio para o país, no entanto, em 2013. O ex-senador se dizia perseguido políticamente pelo governo do presidente Evo Morales. Molina é acusado de corrupção e conivência com o narcotráfico. Ele nega, mas é alvo de 20 ações judiciais abertas pelo governo em diferentes cidades bolivianas. Molina era um dos líderes da oposição.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade