Publicidade

Correio Braziliense

Servidora é barrada no Ministério da Agricultura por estar de bermuda

Segundo Elaine Meirelles, não havia nenhum aviso sobre o tipo de vestimenta exigido para adentrar no órgão


postado em 21/08/2017 17:35 / atualizado em 21/08/2017 17:40

(foto: Correio Braziliense )
(foto: Correio Braziliense )


Uma servidora pública foi impedida de entrar no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por não estar vestida "adequadamente", segundo o órgão. Elaine Meirelles, 32 anos, trabalha no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI), e estava indo almoçar, na tarde da última quinta-feira (17/8), no restaurante interno do Mapa, quando foi abordada e barrada pelos seguranças da recepção.

Segundo a servidora, não havia nenhum aviso sobre o tipo de vestimenta exigido para entrar no órgão. "Frequento esse restaurante há cinco anos e nunca me barraram com essa roupa. Quando questionei o motivo, eles me disseram que havia uma nova norma e eu precisava segui-la", lembra. Elaine afirmou, ainda, que se sentiu constrangida com o tratamento que recebeu na recepção do ministério: "O problema não foi terem me barrado por conta da regra de vestimenta, foi a abordagem truculenta e constrangedora a que fui submetida."

 

Leia mais notícias em Cidades


Em um vídeo gravado no momento da confusão, a servidora conversa com um responsável de dentro do ministério e pede números de protocolos. "Fui orientada a fazer uma reclamação sobre como fui tratada. Foi um absurdo", desabafa.

 

A norma de acesso ao Mapa, aplicada desde 20 de junho deste ano, diz, no cap. XV, que "é terminantemente vedado o acesso às dependências do Ministério usando trajes, tipo short, bermuda, camiseta regata, top, minissaia, chinelo e outros incompatíveis com o ambiente do Ministério".

 

Em nota, o Mapa disse que lamenta o ocorrido e que irá apurar todos os fatos. O ministério frisou, ainda, que "a servidora foi procurada pela Secretaria-executiva, por telefone, e informada sobre abertura de sindicância para apurar eventual  interpretação exagerada do normativo." Segundo eles, as "portas ficaram abertas para contato direto com a secretaria." Houve, também, pedido de desculpas para Elaine e, segundo o Mapa, os seguranças estão sendo orientados sobre o acesso "para evitar novos transtornos".

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade