Publicidade

Correio Braziliense

Presidiários poderão fazer cursos universitários à distância

O vestibular para 47 mulheres e 12 homens que cumprem pena na Ala de Tratamento Psiquiátrico (ATP) foi realizado nessa terça-feira


postado em 23/08/2017 11:11 / atualizado em 23/08/2017 11:16

Com a oportunidade de estudar e mudar os próprios rumos, 47 mulheres e 12 homens que cumprem pena na Ala de Tratamento Psiquiátrico (ATP) da Penitenciária Feminina do Distrito Federal (PFDF) fizeram vestibular nessa terça-feira (22/8) para os cursos de tecnólogo e bacharel, com duração de dois a quatro anos. A chance veio por meio de um convênio entre a unidade prisional e uma faculdade particular de Taguatinga, homologado pela Vara de Execuções Penais (VEP) do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT).
 
As aulas serão ministradas à distância, no laboratório de informática da penitenciária. Lá, os alunos terão acesso limitado ao portal da faculdade. O material de estudo será fornecido pela instituição de ensino e as provas serão aplicadas na unidade carcerária. "Esse projeto teve grande aceitação pelos internos e superou nossas expectativas. Iniciativas como esta são necessárias para a ressocialização", disse o subsecretário do Sistema Penitenciário (Sesipe), Osmar Mendonça.
 

Custos 

O desconto será mantido pela instituição mesmo após o cumprimento da pena dos sentenciados. Os outros 20% do valor da mensalidade serão custeados por familiares.    

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade