Publicidade

Correio Braziliense

Justiça condena à prisão acusada de sequestrar bebê no Conic

A mulher foi condenada a dois anos e seis meses de prisão por sequestrar um bebê no Conic. O caso aconteceu em junho


postado em 06/11/2017 09:32 / atualizado em 06/11/2017 09:32

Acusada de sequestro está detida desde 29 de julho, quando tentou raptar a criança(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Acusada de sequestro está detida desde 29 de julho, quando tentou raptar a criança (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

Cevilha Moreira dos Santos, 44 anos, foi condenada a dois anos e seis meses de prisão, em regime inicial semiaberto, pelo sequestro de um bebê na área central de Brasília. O crime aconteceu em junho deste ano, no Conic. De acordo com a sentença da 1° Vara Criminal de Brasília, Cevilha cometeu os crimes previstos nos artigos 148 do Código Penal, privar alguém de sua liberdade, mediante seqüestro ou cárcere privado; e o 297, que consiste em falsificar, no todo ou em parte, documento público, ou alterar documento público verdadeiro. A juíza Marina Correa Xavier também estipulou o pagamento de 15 dias-multa.

 

Leia mais notícias em Cidades

 

Em 29 de junho, Cevilha Moreira foi filmada pelas câmeras de segurança de um prédio onde funcionava uma clínica de exames admissionais, no Conic. A mãe da criança, Arlete Bastos da Silva, deixou a filha aos cuidados da acusada enquanto era atendida. Ela contou à polícia que, quando voltou para buscar a menina, não viu mais a mulher nem a criança.

 

A sequestradora era conhecida da família da bebê e havia prometido emprego para Arlete. A acusada foi localizada por policiais militares de Goiás em Planaltina, cidade distante 60km do Plano Piloto. O flagra se deu sete horas após o rapto da menina. Os policiais também encontraram, sob o poder de Cevilha, uma certidão de nascimento falsa, na qual aparecia como mãe da garota. O documento, segundo a polícia, reforça a hipótese de premeditação do crime. 

 

*Estagiária sob supervisão de Adriana Bernardes 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade