Publicidade

Correio Braziliense

Servidores do Metrô-DF marcam greve para a próxima quinta-feira

Segundo a categoria, caso decisão seja confirmada em assembleia na quarta-feira, a paralisação se manterá até o Governo de Brasília se manifestar sobre as demandas da categoria


postado em 06/11/2017 15:00 / atualizado em 06/11/2017 15:28

A indicação do sindicato é para que 100% dos trabalhadores acatem a paralisação na próxima quinta-feira(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A indicação do sindicato é para que 100% dos trabalhadores acatem a paralisação na próxima quinta-feira (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 
Os servidores do Metrô-DF confirmaram, nesta segunda-feira (6/11), a intenção de parar a partir da 0h da próxima quinta-feira. Segundo a categoria, a paralisação se manterá até o Governo de Brasília se manifestar sobre as demandas exigidas pelos trabalhadores e acertadas em acordo coletivo assinado em 2015. A decisão de fazer greve foi feita em assembleia no domingo e pode ser ratificada em nova reunião marcada para a quarta-feira.
 
As principais reivindicações dos metroviários são o reajuste salarial de 8,4%, conforme o INPC, e a contratação de 631 funcionários que foram aprovados no último concurso do Metrô-DF , sendo 331 para entrada imediata e 300 para composição de cadastro de reserva. Segundo o sindicato dos servidores, o acordo deveria ser cumprido no momento em que o Distrito Federal deixasse o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o que aconteceu no início do último mês, já que o acordo está vinculado a ela.
 
 
"Em 2015, o GDF assinou um acordo que contemplaria aumento de 8,4%, pelo INPC, em cima do salário, e o reajuste retroativo desde abril de 2015. Sobre os concursados, só 188 foram chamados. A empresa, de fato, se comprometeu a chamar mais, mas o GDF não se posicionou quanto a isso", afirma Renata Campos, diretora de Comunicação do SindMetro-DF.
 
Segundo ela, a indicação do sindicato é para que 100% dos trabalhadores acatem a paralisação na próxima quinta-feira. Já na sexta-feira (10/11), um efetivo mínimo será mantido no posto de trabalho. "Caso o GDF não dê nenhum retorno, a greve será mantida na sexta, mas com 30% de funcionamento".

Ainda de acordo com Renata, o GDF justifica que, se ceder aumento para o metrô, abrirá precedente para outras categorias.
 
Uma nova assembleia será realizada na próxima quarta-feira (08/11) para ratificar a decisão. O local e o horário ainda não estão definidos. 

O Metrô-DF informou que vai analisar a decisão do sindicato e tomar as providências necessárias.
 
* Estagiário sob supervisão de Humberto Rezende 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade