Publicidade

Correio Braziliense

Filhotes de cachorro são vítimas de maus-tratos no SIA

De acordo com a PM, os cachorrinhos seriam colocados à venda em estacionamento próximo à Feira dos Importados. Ativistas criticam o comércio de animais


postado em 13/11/2017 14:02 / atualizado em 13/11/2017 14:53

Alguns cães, entre eles três filhotes de pit bull, estavam sem água e sem comida(foto: Divulgação/PMDF)
Alguns cães, entre eles três filhotes de pit bull, estavam sem água e sem comida (foto: Divulgação/PMDF)
 
Policiais militares flagraram, no domingo (13/11), 10 filhotes de cachorro sofrendo com maus cuidados. Os cãezinhos estavam guardados dentro de porta-malas de carros estacionados sob o sol, próximo à Feira dos Importados, no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA). A PM suspeita de que os animais seriam vendidos no local.


Além do calor, que atingiu 27°C na tarde de ontem, os animais sofriam com falta de comida. Segundo a PM, apenas três shih tzu tinham acesso a uma vasilha com ração e água.

Apesar das más condições, os responsáveis apenas assinaram termo circunstanciado no local e puderam ficar com os filhotes. Ao todo, eram quatro labradores e três pit bulls, além dos três shih tzu.

Segundo relatos de frequentadores da feira, há venda de filhotes na região próxima às lojas. Ao Correio, a Coopersim, responsável pela administração da Feira dos Importados, afirmou que "não permite qualquer tipo de ambulante no local, incluindo vendedores de animais".
 
Há uma semana, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) retirou de uma mulher a guarda de 12 cães da raça golden retriever. De acordo com a promotoria, a acusada, que ainda vai a julgamento, mantinha os animais em local sujo e com água e comida em estado precário. 


'Feiras de cães' não recomendadas


Em estacionamentos do SIA, não é difícil se deparar com filhotes presos em gaiolas para serem vendidos. Entidades protetoras dos animais, porém, repudiam a prática.
 

"É um sofrimento para o animal ficar trancafiado em uma gaiola e debaixo do sol, sem água e sem comida", frisa a ativista Rita Lomba, presidente da ONG Nova Aliança. Segundo ela, as condições das jaulas causam danos irreversíveis ao cachorro. "Por causa do espaço entre os ferros, as patinhas do filhote ficam deformadas. Além disso, eles convivem em meio a urina e fezes", destaca.

A ativista também critica as condições dos canis onde os filhotes nascem. "Muitas vezes, as mães dão à luz sem parar e sem exames para atestar a condição clínica", denuncia. 

Sem controle, há risco de o filhote ser vendido com doenças, inclusive contagiosas, que podem ser transmitidas a outros animais. "Vi casos de cães de feiras morrerem de cinomose já na casa do novo dono", relata Rita, mencionando uma virose altamente letal para cães.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade