Máfia das Funerárias: transporte irregular e más condições de saneamento

Funerárias do DF são suspeitas de práticas como trocar o coro de carros no meio da estrada e lançar sangue e vísceras em rede de esgoto. Testemunhas chegaram a relatar que corpos foram decepados para caber em caixões

Carro funerário apreendido na operação não tinha registro para o transporte de corpos - Foto: Lucas Vidigal/Esp.

CB/D.A Press 

 

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deflagrou, na manhã desta sexta-feira (17/11), a segunda fase da Operação Caronte. A ação investiga fraudes e irregularidades praticadas por funerárias do Distrito Federal. Nesta fase, ninguém foi preso. Os policiais cumpriram 21 mandados de busca e conduziram coercitivamente 11 donos de funerárias. A operação ocorreu em 10 regiões administrativas do DF.

 

Leia as últimas notícias de Brasília

 

De acordo com o delegado Marcos Paulo Loures, investigações apontam uma série de irregularidades na prestação dos serviços. "Empresas irregulares pagavam empresas regulares para fazer o transporte do corpo", relata. Em uma das ações registradas pela polícia, conta, um caixão chegou a ser trocado de um carro para outro no meio da pista.

 

Loures relatou, ainda, que algumas testemunhas disseram que há funerárias totalmente irregulares no DF.

"Vísceras e sangue correm pela rede comum de esgoto em funerárias que funcionam no fundo de quintal de casas", indica.

 

Em entrevista coletiva à imprensa, o delegado responsável pela operação citou ainda o relato de testemunhas segundo as quais algumas empresas chegariam a cortar os corpos de pessoas muito altas para que coubessem nos caixões. Porém, Loures ressaltou que ainda não há elementos suficientes para incriminar funerárias por esse tipo de ação. "Ainda são relatos que nós vamos apurar", ponderou.

 

No canal de rádio da Polícia 

 

A nova etapa da operação apreendeu um carro funerário que não tinha registro para esse tipo de transporte e 37 rádios transceptores em uma empresa no Cruzeiro. Investigadores suspeitam que esses equipamentos funcionavam com a mesma frequência da Polícia Civil — passada para os chamados "papa-defuntos" por um agente aposentado —, para obter informações privilegiadas sobre os corpos que chegavam ao Instituto de Medicina Legal (IML).

 

Esses rádios, inclusive, ligaram a primeira com a segunda fase da operação. "Testemunhas e relatos dos presos nos levaram a essas outras funerárias", explicou o delegado Marcelo Zago, diretor da Divisão de Assuntos Internos da Corregedoria-Geral de Polícia

 

Porém, nenhuma das 16 empresas envolvidas nas oitivas desta sexta-feira (17/11) têm relação provada com os presos na primeira fase. "Antes, desmanchamos duas organizações criminosas. Agora, há indícios de que essas empresas iam contra a livre concorrência", acrescenta Zago. 

 

Relembre a operação

 

Em 26 de outubro, a Polícia Civil desmanchou a quadrilha, que ficou conhecida como Máfia das Funerárias. O grupo enganava parentes de mortos ao oferecer a liberação mais rápida do corpo com atestados de óbito falsos.

 

Por telefone, "papa-defuntos" informavam, apenas com base no relato da familiar, a causa da morte da vítima. Segundo investigadores, os criminosos chegavam a usar a frequência de rádio da própria Polícia Civil para interceptar conversas sobre a chegada de corpos ao Instituto de Medicina Legal (IML). 

 

Um dos acusados, o médico Agamenon Martins Borges, cobrava até R$ 10 mil pelos atestados. Ele foi liberado após pagar fiança de R$ 937.

 

.