Publicidade

Correio Braziliense

A poucos dias do Natal, creches e asilos ainda esperam por doações

Na época de Natal multiplicam-se as doações a instituições beneficentes. A ajuda é bem-vinda, mas responsáveis pelos estabelecimentos solicitam que contribuições se estendam por todo o ano


postado em 20/12/2017 06:00 / atualizado em 19/12/2017 23:00



As dezenas de instituições beneficentes espalhadas pelo Distrito Federal necessitam de donativos para continuar funcionando. A poucos dias do Natal, esperam por doações que vão desde um simples brinquedo ou roupa que não eram mais usados, a fraldas, materiais de limpeza,  dinheiro ou até mesmo a disponibilidade de pessoas interessadas em conceder um pouco do seu tempo.

“Eu acredito nas pessoas, na bondade e na oportunidade. É importante saber que contribuí um pouco para mudar uma realidade ou apenas ajudei a melhorar o dia de alguém”. O pensamento é da servidora pública Juliana Hagiwara, 31 anos, que desde abril colabora com a Creche Vovô Luzimar, na Estrutural. A instituição atende 54 crianças de famílias de baixa renda da região.

Juliana conta que conheceu a instituição por meio de uma amiga. “Arrecadei dinheiro e comprei cestas básicas e chocolates para as crianças. Mas com o passar do tempo fui ampliando a ajuda”, disse. Depois, a funcionária pública reuniu amigos para fazerem uma reforma nas dependências da creche. “Conseguimos doações para arrumar a cozinha e o telhado cheio de goteiras. Colocamos cerâmica onde tinha terra batida ou um chão de cimento grosso”, explicou. A ajuda também foi estendida às famílias, com a doação de cestas básicas.

Creche Vovô Luzimar recebe crianças de pais que trabalham no Lixão da Estrutural(foto: Juliana Hagiwara /Divulgação)
Creche Vovô Luzimar recebe crianças de pais que trabalham no Lixão da Estrutural (foto: Juliana Hagiwara /Divulgação)
Criada há três anos, para os pais poderem trabalhar —  a maioria no Lixão da Estrutural — não há pagamento de qualquer valor para as crianças ficarem ali. Nove voluntários se dedicam a cuidar dos pequenos, de 4 meses a 12 anos. Eles também são responsáveis pelas atividades recreativas, fornecimento de alimentos — no total são cinco refeições por dia, por isso as doações são essenciais. “Se as ações fossem contínuas, não passaríamos por necessidades. Pedimos que as doações se mantenham ao longo do ano e não apenas no período de festas natalinas”, destacou Ana Flávia Batista, coordenadora do estabelecimento.

Lar dos velhinhos


A ajuda não fica limitada apenas a crianças. Em Águas Lindas de Goiás, o Lar da Terceira Idade Samaritanos também necessita de doações para manter suas atividades. Na instituição, fundada em 2003, são fornecidos cuidados por profissionais de saúde. O vice-presidente do abrigo, Marcos Terra, diz que uma vez por mês recebem a Caravana da Solidariedade Anjos da Terra. “São voluntários jovens de Brasília que levam a terapia do afeto e doações aos idosos”, explica. A visita acontece sempre no primeiro domingo de cada mês desde o ano de 2005. Desde então, passaram mais de 2 mil voluntários pelo lar.

(foto: Jay Khyl/Divulgação)
(foto: Jay Khyl/Divulgação)
A instituição atende 34 idosos, sendo 11 homens e 23 mulheres. No entanto, tem capacidade para receber até 40 pessoas. Os internos são abrigados em duas casas recebem os cuidados de 20 colaboradores.

No local, há horta, plantações de cana, mandioca, laranja, milho, manga, abacate, entre outras, além da criação de porcos e um galinheiro. As doações podem ser em dinheiro ou de materiais de higiene, como fraldas geriátricas, luvas de procedimento, máscaras, sabonete, shampoo, creme dental, escova dental, barbeador ou de produtos de limpeza como sabão em barra, sabão líquido, sabão em pó, esponja, amaciante, desinfetantes e água sanitária.

Atividades

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press - 14/12/16)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press - 14/12/16)
No Lago Sul, a Vila do Pequenino Jesus acolhe, desde 2009, crianças, adultos e idosos com algum comprometimento físico ou mental. Atualmente há 53 internos na instituição. Eles participam de atividades que incluem fisioterapia, para estimular os músculos, e a cromoterapia, tratamento que consiste na utilização das cores para estimular emoções no paciente, e também fonoterapia, para desenvolver a fala. No total,  78 funcionários mantidos por um convênio com o governo e doações atendem os moradores. Como os internos são completamente dependentes, a instituição tem um gasto mensal elevado. “As doações são de suma importância e necessárias”, endossa Jorge Eduardo Deister, gerente-geral da casa.

O empresário Luiz Felipe, 48 anos, escolheu a instituição para fazer uma ação de Natal junto com os amigos. “Trocamos a confraternização, que fazíamos habitualmente, pela ajuda. Resolvemos doar para a Vila do Pequenino Jesus, pois vimos que o trabalho que desenvolvem é sério e muito importante”, justificou. O grupo arrecadou brinquedos que serão entregues na instituição no próximo sábado. “Essa foi a primeira vez de muitas. No início do ano vamos arrecadar material escolar para as crianças”, adiantou o empresário.

Mais vagas


Mesmo depois de sofrer um acidente de carro que afetou os movimentos das pernas, Risolene Minervina de Sousa, 36, não perdeu as forças para cuidar de crianças necessitadas. Atualmente, o Instituto Creche Reviver atende 25 crianças, de três meses a 12 anos. Enquanto os pais trabalham, algumas permanecem por lá em horário integral. Os responsáveis não pagam nada e os pequenos contam com atividades recreativas e alimentação. “Fizemos um levantamento na região e identificamos que pelo menos 200 crianças necessitam desse atendimento, mas infelizmente ainda não temos como abrir mais vagas. Necessitamos de ajuda para manter o trabalho. Hoje, só contamos com dois voluntários que doam mensalmente”, detalha a diretora da instituição.

Localizada em um lote no Setor de Chácaras do Lago Norte, a creche não é conveniada ao Governo do Distrito Federal e sobrevive da solidariedade e do trabalho dos voluntários. O espaço passa por necessidades, que ameaçam, inclusive, o funcionamento. “A construção é antiga e com isso algumas paredes estão rachadas. O lote está sem portão, o que também causa preocupação. Estamos em busca de pessoas que possam contribuir não somente no Natal, mas o ano todo”, destaca Risolene.

Como ajudar


Creche Vovó Luzimar
Local: Rua SL 49, Qd 57, lote 09, 
Santa Luzia – Estrutural 
(dentro da Cooperativa Sonho de Liberdade)
Contato: Ana Flávia (61) 9916-6819
Precisa de todo tipo de doação, como alimentos, roupas, calçados, armários e camas.

Lar da Terceira Idade Samaritanos
Local: Quadra 55 conjunto A, Lotes 36 a 38, no Setor 05 de Águas Lindas
Contato: Nazaré (61) 9976-4505
Doações podem ser feitas no local ou por transferência bancária
Banco: Banco do Brasil 
Agência: 1004-9
Conta-corrente: 116.788-X

Vila Pequenino Jesus
Local: SHIS QI 26 Chácara 27 – Lago Sul
Contato: Jorge Eduardo Deister (61) 3526-0506 ou 98140-0198
Doações podem ser feitas no local ou acertadas por telefone.

Instituição Creche Reviver
Local: SMLN, trecho 3, Chácara 32
Contato: Risolene (61) 99139-7794
Banco do Brasil 
Agência: 1423-0
Conta-corrente: 69163-1
Caixa Econômica Federal 
Agência: 0875
Operação: 003
Conta-corrente: 61-5
CNPJ: 27.123.558/0001-10
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade