Publicidade

Correio Braziliense

Distrito Federal registra queda nas mortes em vias e rodovias em 2017

O número foi 35% menor do que em 2016, quando 390 pessoas morreram nas vias da capital federal. No ano passado, os órgãos de trânsito registraram 254 óbitos


postado em 03/01/2018 16:17 / atualizado em 03/01/2018 16:56

Em 9 de novembro, um motociclista perdeu a vida em um acidente na BR-070 - a via é uma das que registrou mais mortes em 2017(foto: Corpo de Bombeiros/ divulgação)
Em 9 de novembro, um motociclista perdeu a vida em um acidente na BR-070 - a via é uma das que registrou mais mortes em 2017 (foto: Corpo de Bombeiros/ divulgação)
 O Distrito Federal apresentou uma queda nas mortes no trânsito em 2017. De acordo com dados do Departamento de Trânsito (Detran), houve 254 mortes no ano passado, 35% a menos do que em 2016, quando 390 pessoas morreram nas vias urbanas e rodovias da capital do país. As estatísticas também revelam que os pedestres são a maioria das vítimas, com 84 registros, seguidos de 69 óbitos de motociclistas, 43 de motoristas, 39 de passageiros e 18 de ciclistas. 

Leias as últimas notícias do Distrito Federal

O levantamento detalha as ocorrências em vias urbanas, além de rodovias locais e federais. Nas urbanas, os órgãos de trânsito registraram 84 acidentes com 90 mortes, em 2017, enquanto no ano anterior foram 143 em 136 ocorrências. A S1 do Eixo Monumental foi a que mais registrou fatalidades, com cinco registros, seguida da Avenida do Contorno, no Gama (4), e a L2 Norte (3).


Nas rodovias locais e federais, em 2017, ocorreram 164 mortes em 154 acidentes, enquanto, em 2016, foram 227 acidentes com 247 óbitos. A BR-080 lidera com os registros de óbitos no ano passado — em toda a extensão que passa pelo DF, 14 pessoas morreram. As BR-020 registrou 10 mortes, e a BR-070, nove.

Representantes de órgãos responsáveis pelo trânsito no DF acreditam que as ações de educação de trânsito contribuíram com o resultado. "Essa é a maior redução registrada no DF em 10 anos. É um resultado dos esforços de vários órgãos locais, que envolveu a área de educação e fiscalização", explica Silvain Fonseca, diretor-geral do Detran. Ele ressaltou que a população vem se conscientizando sobre os perigos do trânsito. "Ainda temos incidência com motoristas alcoolizados, porém, a população está mais consciente, ou pode ser também o medo de ser preso ou multado", acrescentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade