Publicidade

Correio Braziliense

GDF aposta em criação de linhas para melhorar o transporte público

Novas linhas foram criadas e itinerários sofreram adaptações. Bilhete Único e utilização de veículos movidos a biodiesel foram outras iniciativas que tornaram o serviço mais cômodo


postado em 04/01/2018 11:28 / atualizado em 04/01/2018 11:55

Apesar de 2017 ter sido um ano difícil para o transporte público do Distrito Federal, com greves e paralisações, os veículos que realizam o serviço ao redor da capital federal tiveram novidades. Os ônibus, em especial, sofreram diversas alterações, como a criação de novas linhas, o aumento da frota e a atualização no sistema de integração.


Todas as iniciativas fazem parte do Circula Brasília, programa de mobilidade do Governo do Distrito Federal. Desde 2015, segundo o governo, 64 linhas de ônibus foram criadas, para atender as necessidades de regiões administrativas como Brazlândia, Ceilândia, Guará, Paranoá, Riacho Fundo II e Santa Maria. Só no ano passado, 30 novas linhas foram disponibilizadas ao cidadão candango.

Além disso, nos últimos três anos, o itinerário de 1,7 mil linhas foi reajustado pelo DFTrans, para atender as necessidades da população. A autarquia também teve um aumento de 168 ônibus no período. Da frota, nove dos veículos são movidos a biodiesel, combustível que emite menos gases poluentes. Eles rodam desde janeiro de 2017 na área central de Brasília, fazendo o trajeto Memorial JK-Praça dos Três Poderes.

O serviço de integração do transporte público também passou por modificações. Depois de implementar o Bilhete Único, em setembro, o GDF permitiu que a população utilizasse três transportes públicos por apenas R$ 5 durante um período de três horas. Aproximadamente 70 mil pessoas já possuem o cartão de transporte.

Outra medida do Circula Brasília foi instalar câmeras acima validadores dos ônibus, onde os passageiros passam os cartões, para fazer biometria facial. Mais de 700 veículos da frota possuem o serviço, que tem o objetivo de evitar fraudes e impedir que o cartão de um passageiro seja utilizado por terceiros.

O Distrito Federal teve, ainda, reformas em terminais rodoviários das suas regiões administrativas. Desde 2015, 16 deles foram entregues pelo Circula Brasília. O programa também pretende aumentar a extensão da rede integrada do transporte público: hoje, são 110km de corredores exclusivos, faixas preferenciais e vias metroviárias. O número deve subir para 277km.
 
Com informações da Agência Brasília.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade