Publicidade

Correio Braziliense

Caesb vai definir empresa para captação do volume morto do Descoberto

A companhia informou que a operação deve começar em maio e que o uso do volume morto só deve ocorrer em caso de necessidade


postado em 08/01/2018 10:37 / atualizado em 08/01/2018 20:49

Capacidade do Descoberto marcou apenas 5,3% em 7 de novembro(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Capacidade do Descoberto marcou apenas 5,3% em 7 de novembro (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

 

Começa nesta segunda-feira (8/1) o pregão que vai contratar a empresa responsável por captar o volume morto do reservatório do Descoberto. A Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb) prevê investimento de R$ 494,5 mil nessas obras, que devem ficar prontas em maio. 


Em nota, a estatal disse que espera usar o volume morto do Descoberto apenas em caso de necessidade. No entanto, a Caesb não detalhou quais seriam esses casos. Ainda de acordo com a companhia, o objetivo da obra é "viabilizar a utilização do volume morto de forma mais eficaz e com barateamento de custos". 
 
O volume morto é uma parte do reservatório que fica abaixo do ponto onde os canos de captação da concessionária costumam chegar. Geralmente, a água tem qualidade inferior à encontrada na superfície, com baixa oxigenação. A Caesb garantiu, no entanto, que tem "tecnologia e capacidade" para tratar essa água para o consumo humano.

Também em nota, a companhia destacou que faz análises operacionais de hora em hora, para controle dos parâmetros da qualidade da água a ser distribuída à população. As normas do Ministério da Saúde preveem que essas análises devam ser realizadas de duas em duas horas.%u200B
 
Há dois meses, o nível do reservatório do Descoberto estava em torno de 5,3%. À época, especulava-se a possibilidade da ampliação do racionamento para até 48 horas caso o valor descesse para abaixo dos 5%.
 
No entanto, por causa do volume de chuvas acima da média vistos em dezembro e na primeira semana de janeiro, o volume útil no Descoberto aumentou quase sete vezes. No domingo (7/1), a barragem atingiu 34,8% 


Volume morto foi usado na crise hídrica em São Paulo

 
O volume morto do Sistema Cantareira abasteceu a cidade de São Paulo por 535 dias, entre julho de 2014 e dezembro de 2015. Para usar o sistema, foram investidos R$ 120 milhões em uma obra de dois meses.

Há menos água de volume morto no Descoberto em relação ao reservatório do Cantareira. Ao Correio, a Caesb informou que é impossível saber por quantos dias o recurso seria suficiente para abastecer o DF. Segundo a estatal, a capacidade dependeria da vazão captada pela companhia e do consumo da população na época em que o volume morto seria utilizado.
 
* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade