Publicidade

Correio Braziliense

Saiba quais os documentos necessários para matrícula no ensino público

Interessados em garantir vaga obtida no período da pré-matrícula devem comparecer às unidades de ensino da rede pública com documentação exigida


postado em 10/01/2018 07:23 / atualizado em 10/01/2018 07:33

Aulas começam em 15 de fevereiro com todas as escolas em funcionamento, garante Secretaria de Educação(foto: Ed Alves/CB/D.A Press - 29/2/16)
Aulas começam em 15 de fevereiro com todas as escolas em funcionamento, garante Secretaria de Educação (foto: Ed Alves/CB/D.A Press - 29/2/16)
O prazo para confirmar o interesse em vaga na rede de ensino público prossegue até dia 18 de janeiro. A confirmação, que teve o início na segunda-feira, é para os alunos que fizeram a pré-matrícula. Segundo a Secretaria de Educação, 36.771 pessoas solicitaram o ingresso na rede.

Ainda de acordo com a pasta, 33.515 candidatos fizeram a pré-matrícula no ensino regular, pelo telefone e pela internet. O número representa uma queda de 11,7%, em comparação ao registrado em 2017, que contou com 37.953 vagas preenchidas. Na educação de jovens e adultos (EJA), 3.256 se inscreveram.

Com todas as escolas em funcionamento, as aulas têm início em 15 de fevereiro. A lista de locais com oferta de vagas remanescentes será disponibilizada em 22 de janeiro. Quem quiser pleitear uma das vagas deve fazer o pedido no dia seguinte, 23 de janeiro.

Recursos para reformas em escolas

De acordo com a Secretaria de Educação, desde o início da atual gestão, foram reformadas dez instituições educativas. As obras são feitas com o orçamento do Programa de Descentralização Administrativo-financeiro (Pdaf). Até agora, foram investidos R$ 46 milhões em obras, informou a pasta.

O Sindicato dos Professores (Sinpro) no DF destaca que diversas unidades precisam de manutenção, que não estão sendo feitas devido ao atraso no repasse do Pdaf. “Algumas escolas estão fazendo pequenos reparos com dinheiro arrecadado em festinhas que contam com a participação da comunidade”, acrescenta o diretor do Sinpro Claudio Antunes. O GDF afirma que a segunda parcela do programa, no valor de R$ 29,7 milhões, será paga até semana que vem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade