Publicidade

Correio Braziliense

Descoberto: Caesb fará novo processo para obra de captação do volume morto

A Caesb rejeitou as duas empresas que participaram do pregão concluído nesta terça-feira


postado em 10/01/2018 18:07 / atualizado em 10/01/2018 18:46

Água do volume morto deve ser usada apenas em casos de necessidade, a serem definidas pela Caesb(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Água do volume morto deve ser usada apenas em casos de necessidade, a serem definidas pela Caesb (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 
 
Nenhuma empresa foi selecionada para executar a obra que permitirá a captação do volume morto do reservatório do Descoberto. O pregão foi aberto na segunda-feira (8/1) com propostas apresentadas por duas interessadas. Como ambas foram rejeitadas pela Companhia de Saneamento Básico do Distrito Federal (Caesb), um novo edital vai ser aberto. 
 
 
A primeira candidata lançou o valor de R$ 435 mil para a realização do serviço, preço abaixo do previsto pela Caesb, que era de R$ 494,5 mil. No entanto, a empresa foi considerada incapaz tecnicamente de executar a obra, já que não comprovou experiência com perfuração em tubos de aço com diâmetro mínimo de 40 polegadas. 

No caso da segunda empresa, a eliminação se deu por conta do alto lance proposto: R$ 870 mil, valor 56,83% acima do investimento previsto pela estatal. Esse resultado e as justificativas para o desfecho do pregão sem vencedor devem ser publicados no Diário Oficial de sexta-feira. 

 
Proposta será refeita 


De acordo com a Caesb, agora será necessário refazer a proposta, com reavaliação de preços e custos que possibilitem conseguir mais adesões. 

A expectativa da companhia era que a obra estivesse pronta até maio. No entanto, a empresa afirma que a utilização do volume morto só será feita em caso de necessidade.
 
O volume morto representa a parte mais profunda do reservatório e apresenta água de qualidade inferior, com baixa oxigenação. A Caesb, no entanto, garante ter tecnologia e capacidade para tratar o líquido e torná-lo próprio para consumo. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade