Publicidade

Correio Braziliense

Creches não devem ser escolhidas só por aspectos físicos, diz especialista

O credenciamento na Secretaria de Educação, por exemplo, é um requisito básico e obrigatório para que as creches funcionem


postado em 11/01/2018 06:00 / atualizado em 11/01/2018 20:34

Mais do que um ambiente para recreação, as creches são um local de aprendizado. Sem falar que são imprescindíveis para os pais que trabalham e não têm com quem deixar os filhos pequenos. “A família não pode escolher apenas por ser um local lindo e colorido. É o início da aprendizagem. São os anos mais importantes da criança em sociedade”, salienta Paola Aragão, especialista em comportamento educacional e professora lotada da Secretaria de Educação.


Ela aconselha aos pais ficarem atentos não só aos aspectos físicos e de segurança dessas instituições, mas também aos profissionais que trabalham no local. A instituição também precisa ser credenciada pela Secretaria de Educação. A recente divulgação de um vídeo mostrando uma professora agindo com violência contra uma criança acendeu as discussões sobre um temor dos pais: ter o filho maltratado em um ambiente que escolheram para que os pequenos fossem cuidados com carinho e proteção.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Paz Social (SSP-DF), são raros os casos de agressão em creches do Distrito Federal, como o ocorrido em uma instituição particular de Taguatinga Norte. A situação veio à tona dia 28 de dezembro após o pai da menina ter postado vídeo em rede social mostrando uma professora agredindo a menina, identificada como Rafaela, que estava sentada juntos aos colegas de sala e chorava muito.

Leia as últimas notícias do Distrito Federal


O caso está sendo investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), da Polícia Civil. A delegada-chefe Ana Cristina Santiago informou que a autora das agressões passará por processo administrativo e foi afastada das funções. “A família registrou a ocorrência. Com o vídeo,  fica mais fácil de se analisar e investigar”, disse Ana Cristina.

Além do caso de agressão, a Secretaria de Educação  afirmou que a unidade não firmou convênio com o Governo do Distrito Federal. O credenciamento é um requisito básico e obrigatório para que as creches funcionem, informou a pasta. Atualmente, o DF conta com 232 creches ativas.

Mobilização

O caso de Taguatinga comoveu a população do DF. Na publicação feita pelo pai da criança, pessoas postaram mensagens horrorizadas com as cenas. Uma delas era uma mulher, que preferiu não ser identificada. O filho mais novo, 6, é colega de classe da aluna agredida. O menino estudava na instituição há quase um ano. Porém, foi retirado pela família no mesmo dia da divulgação. “Nós havíamos decidido pela manhã devido às mudanças de comportamento do meu filho. Vi a publicação à tarde. Foi o estopim”, afirma a mãe do menino.

Ela conta que desde agosto o garoto passou a chorar para não ficar na creche. “Ele falava ‘por favor, por favor, não me leve!’ e começou a ter medo de escuro”, destacou a mulher, que pagava R$ 600 de mensalidade. A mãe do menino se arrepende de não ter pesquisado sobre a instituição e os profissionais que trabalham no local. “Não sabia que o local não era credenciado. Perdi a confiança em creches. Hoje, quem cuida do meu filho é minha mãe”, concluiu.

De acordo com a SSP-DF,  não há um estudo sobre agressões em creches porque são muito esparsos.  A delegada Ana Cristina concorda com o órgão. De abril de 2017 até o momento, ela verificou três casos de agressão em creche. “São remotos,  mas é fundamental que as famílias pesquisem o máximo que puderem antes de matricular seus filhos”, orientou.

Atenção redobrada

A diretora de uma escola em Valparaíso, Priscilla Gomes, 41, pesquisou muito antes de matricular o filho, 4, em uma creche de período integral na cidade. O garoto estuda na instituição desde março de 2017. “Senti que ali seria bom para ele, pois meu filho tem intolerância alimentar e as professoras são muito atentas”,  disse a mãe.

A especialista Paola Aragão  alerta que é  preciso desconfiar de instituições que normalmente pagam um preço abaixo do mercado aos funcionários ou que não definam um nível de escolaridade adequado. “Quando se paga menos, provavelmente é por conta da falta de qualificação. Porém, antes de tudo isso, é preciso que o profissional seja carinhoso. É uma relação de afeto entre eles e a criança”, completou.

Escolha certa

Cuidados no momento de decidir pela creche dos filhos


Antes da matrícula
» Analisar aspectos físicos;
» Observar a segurança do local: salas, área de recreação, banheiros e piscina, se houver;
» Verificar se os profissionais do estabelecimento são qualificados;
» Atentar para a relação das crianças com os profissionais;
» Questionar sobre a quantidade de alunos por turma.

Após a adaptação
» Se ocorrer mudança de comportamento, investigar com a instituição sobre o ocorrido;
» Ficar atento sobre mudanças repentinas no humor da criança, como agressividade, choro e recusa em retornar à escola,
» Observar possíveis marcas no corpo;
» Em caso de agressão comprovada por algum profissional, recorrer imediatamente à delegacia ou denunciar pelos números 100 e 190, que pode ser de forma anônima.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade